Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15out

    FOLHA.COM

    DILMA MAO NA CABEÇAA cúpula da campanha da presidente Dilma Rousseff está dividida sobre a melhor estratégia para enfrentar o escândalo da Petrobras, que arranha a imagem do PT na reta final da disputa pelo Planalto.

    Um grupo avalia que a tática mais eficaz seria reconhecer que houve erros na gestão da estatal, insistir que os culpados devem pagar por eles e que a Justiça Federal dará a palavra final sobre a responsabilidade de cada um, buscando virar a página do escândalo.

    Segundo a Folha apurou, são favoráveis a esta posição o marqueteiro da campanha João Santana, Miguel Rossetto, um dos coordenadores da campanha, Jaques Wagner, atual governador da Bahia, e Fernando Pimentel, governador eleito de Minas Gerais.

    Outro grupo, integrado por Rui Falcão, presidente do PT, Aloizio Mercadante, ministro da Casa Civil, e Franklin Martins, da coordenação da campanha, acredita que Dilma deveria seguir na linha atual, defendendo a reforma política como escudo contra desvios e questionando as acusações feitas pelo ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef.

    O tema foi debatido nesta semana em reunião da cúpula de campanha petista. Por enquanto, prevalece a tese do segundo grupo. O PT já anunciou que vai processar Paulo Roberto Costa por difamação.

    A presidente Dilma, segundo interlocutores, até gostaria de optar pela estratégia de admitir que houve erros na estatal e tentar se descolar do escândalo da Petrobras. Mas resiste, ainda, por acreditar que compraria briga com o PT na reta final da campanha.

    Nos dois grupos, há dúvidas, porém, se o reconhecimento de erros na agenda ética não alimentaria ainda mais a ofensiva do PSDB na propaganda eleitoral no rádio e na TV.

    Os defensores da tese de que a candidata petista deveria admitir desvios dizem que Dilma poderia adotar o lema de que a Justiça deve cuidar dos criminosos, sejam eles quem forem, e que cabe à presidente da República cuidar do Brasil.

    Segundo auxiliares da petista, o desgaste do governo só aumentará se o PT e o Palácio do Planalto optarem apenas por uma postura reativa.

    Como na semana passada, em que negaram as irregularidades e atacaram a divulgação dos depoimentos do ex-diretor da Petrobras e do doleiro Youssef à Justiça.

    Um interlocutor de Dilma disse que será um erro o PT ficar insistindo na tecla de que as declarações do ex-diretor e do doleiro são caluniosas.

    Segundo ele, os áudios divulgados e a informação de que Paulo Roberto Costa vai devolver R$ 70 milhões frutos de corrupção dão credibilidade a, no mínimo, parte importante das acusações contra o partido.

    Em depoimento à Justiça, o ex-diretor afirmou que o esquema de corrupção na estatal irrigou campanhas de três partidos nas eleições de 2010: PT, PMDB e PP.

    DIVERGÊNCIA

    O receio é que, nos próximos dias, surjam mais novidades do escândalo, com citação de envolvimento de assessores do governo e de aliados, o que deixaria a presidente em situação ainda mais difícil.

    Pesquisas qualitativas mostram que já se cristalizou na opinião pública a visão de que existia, de fato, um esquema de corrupção dentro da Petrobras.

    A cúpula petista, porém, não concorda com essa visão. Diz que o partido e o governo não podem ficar acuados diante das denúncias e que precisam se defender. O PT acredita ser vítima de uma armação política para tentar derrotar Dilma na eleição.

    Enquanto a divergência dá sinais de que tanto o partido quanto o governo ainda não encontraram a fórmula ideal para blindar a presidente no debate sobre corrupção, petistas afirmam que a saída para a vitória em 26 de outubro é reconquistar parte do eleitorado de classes mais pobres que votou com Aécio Neves (PSDB) ou Marina Silva (PSB) no primeiro turno.

    LULA NA ESTRADA

    Lula, que não encontra sua afilhada política há mais de dez dias, decidiu atender a pedidos de aliados e irá subir no palanque de candidatos a governos no Norte do país.

    Ele irá para Amazonas, Acre e Pará nos próximos dias. Também pretende ir no fim de semana em Pernambuco, onde Marina venceu no primeiro turno.

    Publicado por jagostinho @ 17:48



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.