Volume de investimentos nas estradas brasileiras é insuficiente para melhorar a qualidade das rodovias.© Foto: Nacho Doce/Reuters Volume de investimentos nas estradas brasileiras é insuficiente para melhorar a qualidade das rodoviasQuase a metade das rodovias brasileiras (49,9%) apresentam pavimento irregular, ruim ou péssimo, segundo a Pesquisa CNT Rodovias 2014, promovida pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) e divulgada nesta quinta-feira. Segundo a instituição, essa realidade aumenta o consumo de combustível dos veículos, tendo reflexo direto nos custos e nas emissões de poluentes. O estudo aponta que, em 2013, 8.551 pessoas morreram em cerca de 186 mil acidentes nas estradas brasileiras.

Segundo a pesquisa, neste ano aumentou o número de pontos críticos nas estradas, de 250, em 2013, para 289.

Entre os pontos críticos apontados pela CNT estão quedas de barreiras, pontes caídas, erosões na pista e buracos de grande porte.

A pesquisa aponta que 44,7% do número de estradas estão desgastadas. O levantamento avaliou 98.475 quilômetros de estradas federais e estaduais mais relevantes entre maio e junho.

— É cada vez maior o número de mortes e de acidentes. Essa situação também compromete a logística, devido ao elevado custo do transporte, tornando o país menos competitivo — disse o presidente da CNT, Clésio Andrade.

Para a CNT, o volume de investimentos nas estradas brasileiras é insuficiente diante da necessidade de R$ 293,88 bilhões para melhorar a qualidade das rodovias.

Ele aponta, ainda, que o investimento público previso em R$ 11,93 bilhões para este ano, foi executado em apenas 54,8% de seu total até agosto, ou seja, R$ 6,54 bilhões.

A CNT pede mais concessões de rodovias, como as que ocorreram no ano passado.

Segundo a Confederação, 74,1% das rodovias concedidas foram classificadas como ótimas ou boas, enquanto que apenas 29,3% daquelas sob gestão pública estiveram nessa situação.