Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 30out

    UCHO.INFO

    josecarlos_cosenza_01Diretor de Abastecimento da Petrobras,José Carlos Cosenza admitiu ter se encontrado com seu antecessor, Paulo Roberto Costa, e também de ter falado com ele por telefone.

    A afirmação foi feita quando Cosenza respondia a perguntas do líder do PPS na Câmara dos Deputados, Rubens Bueno (PR), durante reunião da CPMI da Petrobras, nesta quarta-feira (29).

    Cosenza havia negado relacionamento com Paulo Roberto minutos antes, quando interpelado pelo relator, deputado federal Marco Maia (PT-RS). “Sua resposta mudou muito.

    Agora, o senhor foi alertado por nós que está sob juramento e que será processado se mentir”, comentou Bueno, um dos autores do requerimento de convocação do executivo.

    O diretor da Petrobras disse que encontrou-se com Paulo Roberto Costa duas vezes e que falou com ele por telefone em três ocasiões.

    A Polícia Federal suspeita que Cosenza continuou com o esquema de superfaturamento de contratos e distribuição de propina a partidos e políticos que vinha sendo implementado por Costa.

    A PF chegou a tal conclusão após encontrar agendas no apartamento de Costa nas quais estavam anotados os contatos com Cosenza, além de planilhas e e-mails.

    “Consta que o senhor mantinha encontros periódicos com Paulo Roberto e que despachava com ele sobre assuntos da Petrobras”, reforçou Rubens Bueno.

    O parlamentar quis saber quais assuntos foram tratados por Cosenza com Paulo Roberto. O diretor de Abastecimento disse que precisou tirar dúvidas sobre o serviço da diretoria.
    Ao explicar o segundo encontro, Cosenza se contradisse. Afirmou, em primeiro lugar, que Costa havia levado a ele uma proposta de construção de minirrefinarias.

    Quando o líder do PPS espantou-se com o fato de o ex-diretor fazer essa proposta, Cosenza negou que o tenha recebido pessoalmente.

    “Ele mandou uma carta e essa carta foi respondida”, afirmou, sustentando que o projeto foi refutado pela companhia.

    Bueno lembrou que a imprensa divulgou amplamente o esquema de desvio de dinheiro levado a cabo por Paulo Roberto. “O senhor não fez nada, continuou com as mesmas práticas?”, questionou.

    Cosenza insistiu em repetir que não sabia de nada sobre o cartel de empresas que participavam das ilegalidades nem dos superfaturamentos e pagamentos de propina.

    “Até a presidente Dilma admitiu os desvios. Como o senhor, que é diretor, não soube nem sabe de nada?”, tornou a perguntar Bueno. Cosenza limitou-se a dizer que não poderia falar sobre a opinião da presidente da República.

    Após muita insistência, o diretor respondeu que há seis meses, portanto após a Operação Lava-Jato, a Petrobras pediu a uma empresa para investigar o caso na companhia.

    Publicado por jagostinho @ 09:11



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.