Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 08nov

    Do G1 PR, com informações RPC TV Curitiba 

    Por falta de dinheiro, obras públicas atrasam e param em Curitiba

    Secretaria de Finanças argumenta que caiu a arrecadação de impostos.
    Construtoras ameaçam parar obras de unidades de saúde.

    OBRAS PARADAS

     

    A situação financeira da Prefeitura de Curitiba tem atrasado a entrega de obras públicas.

    Em alguns casos, as construtoras suspenderam os trabalhos por falta de pagamento – o que reflete diretamente no serviço público nas áreas de mobilidade, saúde e educação.

    De acordo com a administração municipal, o motivo é a arrecadação de impostos. A secretária de Finanças de Curitiba, Eleonora Fruet, afirma que diminuiu o ritmo de arrecadação dos impostos municipais e também do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

    “Hoje, do que a gente havia projetado no orçamento, e daquilo que foi realizado até agosto, a gente teve uma queda de mais de R$ 100 milhões. Então, nem sempre a gente consegue fazer uma mobilização, uma redução do custeio drástica e num curto prazo”, argumentou a secretária.

    Eleonora Fruet acrescentou que desde o início da gestão de Gustavo Fruet (PDT) existe um esforço para regulamentar e buscar uma governança de maior eficiência. Esse trabalho, de acordo com a secretária, gerou uma economia de mais de R$ 240 milhões.

    Quem circula pela cidade de Curitiba se depara com alguns exemplos de obras que caminham em passos lentos ou que foram paralisadas por falta de recursos. Em meio a esta dificuldade administrativa, está a população que se espreme em um acesso provisório.

    Fornecedores e instituições que têm convênio com o município reclamam da falta de pagamento. A dívida com as empresas do transporte coletivo, por exemplo, chega a R$ 2 milhões.

    Por falta de pagamento, as construtoras responsáveis pelas unidades de saúde Campo Alegre, na Cidade Industrial (Cic), e Jardim Aliança, no bairro Santa Cândida, pararam a obra. Os trabalhos foram interrompidos ainda em 2013.

    O mesmo deve acontecer, segundo as construtoras, com a unidade Nossa Senhora Aparecida, no Xaxim, e com os Centros de Educação Infantil (Cmeis) Fazenda Boqueirão e Serra do Mar, no Cajurú.

    Há ainda as construções que foram concluídas, porém, não estão atendendo aos curitibanos. É o caso dos postos de saúde Coqueiros e Vila Sabará.

    Publicado por jagostinho @ 13:48



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.