Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15nov

    PAULO GALVEZ DA SILVA, ESPECIAL PARA A GAZETA DO POVO, E AMANDA AUDI

    PF cumpriu mandados de busca e apreensão na sede da Iesa e na casa de diretor

    Foto:- Marcelo Andrade / Gazeta do Povo

    Marcelo Andrade / Gazeta do Povo / Iesa integrou o consórcio que fez obras na Repar entre 2008 e 2012

    Iesa integrou o consórcio que fez obras na Repar entre 2008 e 2012

    Três dos mandados expedidos ontem pela Justiça Federal – dois de busca e apreensão e um de prisão temporária – foram direcionados a uma empresa com representação no Paraná e um empresário que mora na região metropolitana de Curitiba, Valdir Lima Carreiro.

    O executivo, que até o fechamento dessa reportagem ainda não havia sido localizado pela Polícia Federal (PF), é diretor-presidente da Iesa Óleo & Gás, que atualmente tem sede no Rio de Janeiro, mas integra um grupo empresarial criado no Paraná e que ainda mantém unidades em Curitiba.

    Outro diretor da empresa, Otto Garrido Sparenberg foi preso no Rio.

    No escritório da empresa, no centro de Curitiba, e na casa do empresário, em Pinhais, a PF recolheu documentos e mídias que possam auxiliar nas investigações.

    De acordo com informações do jornal O Estado de S.Paulo, a Iesa repassou R$ 400 mil para a Costa Global Consultoria e Participações, do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

    “Há indícios de que algumas dessas empresas já estiveram envolvidas anteriormente em esquemas semelhantes. Isso reforça a necessidade de prisão preventiva”, explica o procurador da República Diogo Castor de Mattos.

    A Iesa integrou o Consórcio Conpar, formado ainda pela Norberto Odebrecht, UTC Engenharia e OAS, responsável por obras de ampliação da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) em Araucária, entre 2008 e 2012.

    A atual fase da investigação, porém, analisa apenas contratos firmados nos últimos dois anos.

    “A Repar tem contratos em andamento, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento, que estão em torno de 70% a 80% concluídos. Então ainda há obras em andamento dentro da refinaria e essa empresa participa, como participa também de Abreue Lima e outros contratos”, afirma o delegado Igor Romário de Paula, responsável pela área de combate ao crime organizado da PF no Paraná.

    O delegado não descarta uma investigação retroativa, “se os indícios forem se confirmando”. Mas afirma que apenas os contratos de 2013 e 2014, atualmente investigados, já constituem “uma demanda absurda”.

    Ninguém foi localizado na empresa para comentar o assunto.

    Publicado por jagostinho @ 17:44



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.