Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17nov

    AGÊNCIA EFE

    Falando para médicos, pontífice condenou ‘falsa compaixão’ como justificativa para o auxílio à prática do aborto ou da eutanásia

    O papa Francisco durante uma cerimônia no Vaticano

    O papa Francisco durante uma cerimônia no Vaticano (Tony Gentile/Reuters)

    O papa Francisco advertiu neste sábado que uma “falsa compaixão” não deve justificar a realização de um aborto ou a prática da eutanásia. Afirmou ainda, ao falar na Associação de Médicos Católicos da Itália, que “brincar com a vida é um pecado contra Deus”.

    “O pensamento dominante às vezes sugere uma “falsa compaixão” para justificar o auxílio a uma mulher para realizar um aborto, um ato de dignidade fazer uma eutanásia, uma descoberta científica ‘produzir’ uma criança e considerar isso um direito e não um dom”, ressaltou o pontífice.

    “Tenham cuidado, por que experimentar e jogar com a vida é um pecado contra Deus, o criador”.

    Francisco não mencionou nenhum caso em particular, mas, recentemente, o chefe do órgão do Vaticano responsável por temas de bioética condenou a decisão de uma americana de recorrer ao suicídio assistido depois de ser diagnosticada com câncer.

    O monsenho Ignacio Carrasco de Paula, em entrevista à agência italiana Ansa, afirmou: “Essa mulher pôs fim a sua vida achando que morreria com dignidade, mas isso é um erro. Suicídio não é uma coisa boa”.

    Neste sábado, o papa ressaltou que pôr fim à vida de um doente é dizer não a Deus, e pediu aos médicos que, em casos assim, tomem “decisões corajosas, contracorrente”.

    “Vossa missão como médicos os põe em contato com muitas formas de sofrimento e, portanto, encorajo-os a serem bons samaritanos, tendo cuidado especial com os idosos, os enfermos e os portadores de deficiências”.

    Sobre o aborto, o pontífice pontuou que não se trata de um problema religioso ou filosófico, mas científico, porque envolve uma vida humana.

    “Não é lícito acabar com ela para resolver um problema”, disse. “Trata-se de um conceito que não pode mudar com o avanço dos anos, pois, no pensamento antigo ou moderno, matar significa sempre o mesmo”, acrescentou.

    Francisco lamentou também que, em um momento de grandes progressos científicos, que aumentam a possibilidade de cura de várias doenças, tenha ocorrido a diminuição da capacidade de cuidar das pessoas, sobretudo, dos que mais sofrem ou são frágeis.

    “As conquistas da ciência e da medicina podem contribuir para a melhoria da vida humana na medida em que não se afastem das raízes éticas dessas disciplinas”.

    Publicado por jagostinho @ 13:17



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • andres sottomaior batista Disse:

    Na atualidade 90% dos pacientes de UTIS são grande idosos ou cancerosos em fase terminal; pessoas que deveriam morrer em casa nas mãos dos familiares. Muitos são abandonados para comodidade da família ou por interesse pecuniário não recebem alta médica.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.