Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18nov
    Marcelo Araújo*

    Depois de um período de convalescência no asilo a Vó Gertrudes volta cheia de energia e vai direto para a cozinha.

     Nessa nova empreitada o assunto atacado é a desobediência aos limites de velocidade, porém Vovó faz uma afirmativa emblemática: “Quando você corre sua cabeça fica frágil!”.

    Se ao correr a cabeça fica frágil é porque quanto mais devagar mais você fica cabeça dura.

    Não me parece que haja qualquer indicativo que a velocidade por si só causa aumento ou diminuição da resistência de qualquer órgão do ser humano, tampouco perda de camada óssea.

    Vó Gertrudes pode ter esquecido que calçadas mal conservadas oferecem sérios riscos aos pedestres que diariamente sofrem quedas e mesmo em velocidade de caminhada sofrem sérias lesões, bem como vias esburacadas podem ser letais para motociclistas e ciclistas.

    Na sequência, Vovó fala que numa batida a cabeça quebra da mesma forma que um ovo se parte ao bater numa jarra (abaixo, assista ao vídeo).

    A associação dos riscos do traumatismo craniano estaria mais adequada ao não uso de capacete para os motociclistas (e até para ciclistas apesar de não ser obrigatório), ou não uso do cinto de segurança, que são situações que mesmo dentro dos limites de velocidade imposta realmente implicam em impacto dos membros superiores, e a cabeça sofre sérios danos.

    Do contrário, com o cinto, a tendência é que os membros inferiores sejam afetados pela parte inferior do painel.

    Nessa nova investida Vó Gertrudes não se arriscou a sair nas ruas para não repetir as mesmas gafes no trânsito anteriores, e o fato do relógio de parede estar parado é mera demonstração da realidade que Curitiba: anda tão devagar quanto o relógio anda.

    Por falar em velocidade a OAB vai promover um debate sobre a ‘Via Calma’ no dia 28 de novembro.

    Debate democrático no qual serão expostos prós e contras.

    Sua implantação sempre foi cercada de polêmica especialmente em relação ao conceito de ‘ciclofaixa preferencial’ e mais recentemente a fiscalização de velocidade com radares estáticos, que diferentemente das gestões anteriores, nenhum debate acerca da forma de aquisição, valor, ‘produtividade’.

    De multa eu entendo!

    *Marcelo Araújo é advogado, presidente da Comissão de Trânsito, Transporte e Mobilidade da OAB/PR.

    Publicado por jagostinho @ 11:43



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.