Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19nov

    UCHO.INFO

    joao_vaccari_03Na tarde desta terça-feira (18), a CPMI da Petrobras aprovou, apesar dos protestos de parlamentares do PT e da base aliada, pedido de quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico de João Vaccari Neto, tesoureiro do Partido dos Trabalhadores.

    A aprovação do requerimento, de autoria do deputado federal Rubens Bueno, líder do PPS na Câmara, contou com o apoio do PMDB e do PDT, legendas que integram a base de apoio ao Palácio do Planalto.

    Aprovado por um voto de diferença – 12 a favor e 11 contra – o requerimento de quebra de sigilo coloca Vaccari em situação de dificuldade, uma vez que o petista foi acusado por Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa de cobrar propina das empreiteiras em contratos com a Petrobras.

    O dinheiro sujo que irrigou as contas do PT tinha como origem contratos superfaturados pelas empreiteiras e com a anuência da estatal. O requerimento prevê a transferência dos sigilos de Vaccari Neto no período entre 1º de maio de 2005 e 20 de maio deste ano.

    A decisão da CPMI da Petrobras foi tomada quatro dias após a Operação Juízo Final, que viabilizou a sétima fase da Lava-Jato e mandou para a prisão executivos das principais empreiteiras do País e o ex-diretor de Engenharia e Serviços da petrolífera, Renato Duque, indicado para o cargo pelo então ministro José Dirceu.

    Líder do PT em exercício no Senado, o piauiense Wellington protestou contra a aprovação do pedido, como se os petistas não pudessem ser investigados.
    De acordo com Dias, não há qualquer tipo de “indiciamento” referente a João Vaccari Neto. “Não tem nenhuma convocação, nenhum indiciamento, então temos aqui uma situação em que se busca apenas colocar a politização, a disputa partidária para este caso”, criticou.

    A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse não achar “justo” quebrar os sigilos de apenas um tesoureiro do partido.

    “O que peço dos meus colegas é quebrar o sigilo bancário de todos”, defendeu. Grazziotin integra a tropa de choque do governo no Senado Federal, por isso sugeriu a quebra dos sigilos de vários dos envolvidos no esquema de corrupção.

    Seguindo a orientação da senadora amazonense, a implosão do PT acontece muito antes do planejado.

    Se os dados referentes aos sigilos de João Vaccari Neto forem disponibilizados com celeridade e a CPMI da Petrobras for prorrogada até o dia 22 de dezembro, o PT terá sérios problemas pela frente.

    Isso porque Renato Duque nega ter participado do esquema de desvio de dinheiro da estatal, mas Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços da empresa e ligado ao PT, fez acordo de delação premiada com as autoridades da Lava-Jato e se comprometeu a devolver US$ 97 milhões, equivalente a R$ 252 milhões.

    Barusco atuava na Petrobras como braço direito de Duque.

    Dois delatores da Lava-Jato, Julio Camargo e Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, da Toyo, disseram ter pagado R$ 95 milhões a Duque e a Barusco em nome de empreiteiras para conseguir os contratos de pelo menos cinco obras.

    Publicado por jagostinho @ 17:09



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.