Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 08fev

    FOLHA.COM

    Os 89 maiores contratos da Petrobras foram a fonte para um volume total de propina que chega a R$ 1,2 bilhão, segundo valores contidos em planilha entregue aos procuradores da Operação Lava Jato por Pedro Barusco, ex-gerente da petroleira, e corrigidos pela inflação do período.

    Os contratos listados por Barusco somam R$ 97 bilhões. O suborno equivale a 1,3% deste valor. Em depoimento que prestou após acordo de delação premiada, o ex-gerente citou que a propina variava de 1% a 2% do valor contratado.

    A tabela de cinco páginas detalha em que acertos houve propina, quem pagou, o nome do intermediário, em que data e como o dinheiro foi dividido entre o PT, o ex-diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, o ex-diretor de Serviços, Renato Duque, e o próprio Barusco.

    Duque ocupou o cargo por indicação do PT, o que seus advogados negam.

    No acordo que assinou, Barusco se comprometeu a devolver US$ 97 milhões que recebera de suborno.

    De acordo com a planilha, o PT ficou com a maior parte dos recursos: R$ 455,1 milhões, equivalente hoje a US$ 164 milhões. O partido nega ter recebido doações ilegais.

    No depoimento aos procuradores, Barusco disse que a parte do suborno que ficara com o PT era de US$ 150 milhões a US$ 200 milhões.

    A empreiteira que mais pagou propina, segundo a lista de Barusco, é a Engevix.

    A empresa ocupa essa posição porque conquistou o maior contrato citado pelo ex-gerente na planilha, de R$ 9 bilhões, para a construção de cascos de navio para a exploração do pré-sal.

    Nesse caso, detalha Barusco, a propina foi de 1% do valor do contrato (R$ 90 milhões), dividida em partes iguais entre o PT e a diretoria de Serviços da estatal.

    Os pagamentos listados ocorreram entre maio de 2004 e fevereiro de 2011, nos governos Lula e Dilma Rousseff.

    Os dados mostram que a maior parte da propina foi paga em 2010, ano da primeira eleição de Dilma.

    De acordo com a tabela, foram embolsados R$ 374 milhões. Desse total, o PT teria ficado com R$ 120 milhões.

    Divulgação
    Plataforma P-53, da Petrobras, utilizada na extração de petróleo na Bacia de Campos
    Plataforma P-53, da Petrobras, utilizada na extração de petróleo na Bacia de Campos

    METÓDICO

    O material apresentado por Barusco é organizado ao ponto de apresentar os centavos de obras bilionárias da Petrobras.

    Onze agentes que intermediavam a propina são mencionados, entre os quais Julio Camargo –ligado à empresa Toyo Setal e também delator do esquema– e Idelfonso Colares, presidente da Queiroz Galvão até 2013.

    Já na coluna sobre a divisão do suborno, Barusco usa códigos: “part” para Partido dos Trabalhadores, “PR” para Paulo Roberto Costa e “casa” para identificar a diretoria de Serviços.

    Em alguns casos, a divisão da “casa” aparece detalhada. Em uma obra na refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, por exemplo, há a indicação “(0,6MW 0,4Sab)” ao lado do registro de uma propina de 1% para a diretoria.

    “MW” é uma referência a Renato Duque, a quem Barusco se referia como “My Way”, título de canção interpretada por Frank Sinatra.

    “Sab” identifica o próprio ex-gerente da Petrobras, numa alusão a Sabrina, nome de uma ex-namorada, segundo ele relatou à Polícia Federal.

    Assim, só nesse contrato Duque levou R$ 7,9 milhões e Barusco, R$ 5,3 milhões.

    Editoria de Arte/Folhapress
    Lista Barusco Propina

    Publicado por jagostinho @ 13:51



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.