Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18fev

    GAZETA DO POVO – PAULO GALVEZ DA SILVA

    Fotos:- Fernando Bizerra Jr./EFE e Jonathan Campos/Gazeta do Povo

    Fernando Bizerra Jr./EFE e Jonathan Campos/Gazeta do Povo /

     

    >> DISCURSO X REALIDADE

    Na eleição, tudo eram flores. Mas hoje…

    Não é raro eleitores se surpreenderem com medidas de governantes recém-eleitos que contradizem o que era dito na campanha eleitoral.

    Nas eleições de outubro do ano passado, porém, a presidente Dilma Rousseff (PT) e o governador Beto Richa (PSDB), ambos reeleitos para o segundo mandato, não se constrangeram em “vender” ao eleitor um país e um estado bem diferentes da realidade.

    Hoje, quase quatro meses após terminadas as eleições, a artimanha de marketing político ficou evidente.

    Dilma rousseff

    Foto:- Ricardo Stuckert/Instituto Lula


    Dilma comemora a reeleição: ela afirmou para não acreditarem em quem dizia que o país estava mal

     

    Confira o que Dilma disse na campanha e o que ela fez logo após a reeleição:

    • Impostos

     – Discurso na campanha

    Em encontro com taxistas em setembro de 2014, Dilma negou qualquer possibilidade de “tarifaço” para reajustar o preço da gasolina.

     – Realidade no governo

    Em 19 de janeiro, o governo federal anunciou a volta da cobrança da Cide (imposto sobre o comércio de combustíveis) e o aumento da alíquota do PIS/Cofins, que resultou em reajuste médio de R$ 0,22 para a gasolina e R$ 0,15 para o diesel.

    O mesmo pacote trouxe aumento de IOF sobre operações de crédito para o consumidor de 1,5% para 3%, e do PIS/Cofins sobre importações de 9,25% para 11,75%.

    • Juros e inflação

     – Discurso na campanha

    Dilma acusou o partido de seu principal adversário, Aécio Neves (PSDB), de “plantar inflação para colher juros”. Ao mesmo tempo, negou haver descontrole inflacionário no país, bem como rechaçou a possibilidade de aumentar juros.

     – Realidade no governo

    Três dias após a vitória no segundo turno, o Copom aumentou a taxa Selic de 11% para 11,25% ao ano. Hoje, depois de mais duas altas, a taxa básica está em 12,25%. A justificativa: controlar a inflação. Especialistas, porém, preveem índice inflacionário de 3,26% só para o primeiro trimestre, ou seja: quase 50% da meta prevista pelo governo para todo ano de 2015.

    • Direitos trabalhistas

     – Discurso na campanha

    Em reunião com empresários, Dilma garantiu que não mudaria direitos trabalhistas.

     – Realidade no governo

    Em dezembro, duas medidas provisórias deixaram mais rígidas as regras para obter abono salarial, seguro-desemprego, pensão por morte e auxílio-doença. As medidas foram tomadas em nome da “sustentabilidade da Previdência”.

    • Política econômica

     – Discurso na campanha

    Dilma criticou duramente Marina Silva (PSB) e Aécio Neves por suas propostas para a economia. Dizia que Neca Setúbal, herdeira do Itaú e conselheira de Marina, e Armínio Fraga, anunciado como ministro da Fazenda de Aécio, influenciariam políticas em favor do mercado.

     – Realidade no governo

    Nomeou Joaquim Levy, economista tido como ortodoxo e alinhado ao pensamento de Armínio, como ministro da Fazenda de seu segundo governo.

    • Energia elétrica

     – Discurso na campanha

    Não só na campanha, mas durante todo o primeiro governo, Dilma afirmava que a energia não subiria e que o país estava preparado para a demanda necessária ao crescimento.

     – Realidade no governo

    Em 19 de janeiro, um apagão atingiu metade do país: 11 estados e o Distrito Federal. No dia 20, o Brasil importou energia da Argentina. A partir do primeiro dia do ano já entrara em vigor o sistema de bandeiras tarifárias. Se o consumo de energia subir, o consumidor paga mais caro. A Aneel já aprovou também pedido de reajuste extraordinário feito pelas distribuidoras.

    Beto Richa

    Foto:- Marcelo Andrade/Gazeta do Povo


    Beto Richa comemora a reeleição em primeiro turno: “O melhor está por vir”

     

    Veja o que Richa dizia na campanha e compare com a realidade do governo:

    • Finanças do estado

     – Discurso na campanha

    Durante a campanha, Richa insistiu que havia colocado a casa em ordem, após herdar uma dívida de “R$ 4,5 bilhões do governo anterior”. E que, no segundo mandato, poderia investir mais.

     – Realidade no governo

    Pouco tempo depois de ser reeleito, em dezembro, enviou um “tarifaço” à Assembleia Legislativa, já aprovado e sancionado. O ICMS de uma extensa lista de produtos foi reajustado de 12% para 18%. Também houve aumento de um ponto porcentual no ICMS da gasolina e de 40% na alíquota do
    IPVA.

    • Investimentos

     – Discurso na campanha

    Na campanha, o candidato à reeleição desafiou jornalistas a consultar qualquer prefeito do Paraná para saber se o governo anterior investia tanto em obras quanto o seu. Inclusive em municípios administrados por adversários políticos do grupo que comandava o Paraná.

     – Realidade no governo

    Após a derrota no “pacotaço” da semana passada, o governador admitiu que existem obras paradas no estado. O secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, já reconheceu que o Paraná está praticamente sem dinheiro para investimentos.

    • Funcionalismo

     – Discurso na campanha

    Richa sinalizou com a manutenção da política de valorização dos servidores. No primeiro mandato, concedeu reajustes acima da média para algumas categorias.

     – Realidade no governo

    Com o estado em crise financeira, adiou o pagamento do terço de férias dos servidores já no final do ano passado. Também não pagou a rescisão de 29 mil professores temporários que trabalharam em 2014.

    • Abertura ao diálogo

     – Discurso na campanha

    Durante a campanha, Richa sempre ressaltou seu papel de conciliador. A capacidade de diálogo foi apontada como uma das principais qualidades do candidato.

     – Realidade no governo

    Na semana passada, enfrentou a maior polêmica de sua carreira política ao propor à Assembleia a aprovação às pressas e sem discussão de um pacote de austeridade com várias propostas que têm forte oposição da sociedade.

    O resultado foram defecções na base aliada no Legislativo, revolta de servidores e retirada das propostas após três dias de ocupação da Assembleia e confronto entre manifestantes e a polícia.

    • Perseguição

     – Discurso na campanha

    Quando admitia dificuldades financeiras, Richa as atribuía à “perseguição do governo federal” e cobrava a liberação de empréstimos. Também criticava a falta de repasses federais.

     – Realidade no governo

    Os empréstimos aguardados foram autorizados. Os repasses do Fundo de Participação dos Estados para o Paraná subiram acima da inflação. Mas as contas do estado ainda não fecham.

    Publicado por jagostinho @ 08:47



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.