Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21fev

    G1 – PR – Fernando Castro

    Ele foi arrolado pela defesa de Ricardo Pessoa, diretor-presidente da UTC.
    Audiência de defesa da Lava Jato está marcada para março, em Curitiba.

     

    O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, em audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara (Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados)
    Paulo Bernardo foi ministro dos governos Lula e Dilma
    (Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados)

     

    O ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo deverá depor como testemunha de defesa do diretor-presidente da UTC, Ricardo Pessoa, à Justiça Federal.

    Pessoa responde pela acusação de ser líder do “clube” de empreiteiras que fraudava licitações da Petrobras, e está preso em Curitiba desde a deflagração da sétima etapa da Operação Lava Jato.

    A audiência está marcada para o dia 5 de março na Justiça Federal em Curitiba, às 11h, quando também devem ser ouvidas outras testemunhas de defesa.

    O G1 tentou contato com a assessoria de Paulo Bernardo, mas não conseguiu falar com nenhum representante do ex-ministro.

    “Este juízo tem muitas dúvidas acerca da pertinência em ouvir o ex-Ministro. De todo modo, apenas para evitar alegações de cerceamento de Defesa, intime-se referida testemunha para que compareça a este Juízo”, afirmou o juiz Sergio Moro no despacho.

    O pedido de oitiva de Paulo Bernardo havia sido feito quando foi apresentada a defesa prévia do acusado – trâmite processual que antecede as audiências.

    No entanto, o juiz Sergio Moro havia pedido mais explicações sobre a convocação, para evitar que as testemunhas fossem arroladas “com propósitos meramente abonatórios” e sem conhecimentos de “fatos relevantes para o julgamento”.

    Além de Bernardo, a defesa de Pessoa queria ainda como testemunhas os deputados federais deputados federais Arlindo Chinaglia (PT-SP), Paulinho da Força (SD-SP),  Jutahy Junior (PSDB-BA), Jorge Tadeu Mutalen (DEM-SP) e Arnaldo Jardim (PPS-SP), além do ministro da Defesa Jacques Wagner.

    O juiz negou estes pedidos alegando que a defesa tornou a não fornecer justificativa para as convocações. Moro concedeu, no entanto, novo prazo para que as razões sejam apresentadas.

    “Não se trata aqui de exigir que a Defesa adiante sua tese, mas pelo menos, a fim de não comprometer o tempo útil deste Juízo e das referidas autoridades públicas, que pelo menos esclareça se elas tem ou não conhecimento relevantes sobre os fatos que constituem o objeto da impuração”, sustenta Moro.



    Publicado por jagostinho @ 12:23



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.