Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 28fev

    FOLHA.COM

    Dois executivos da cúpula da Camargo Corrêa fecharam na noite desta sexta-feira (27) um acordo de delação premiada com procuradores e policiais federais da Operação Lava Jato.

    São os primeiros integrantes de uma empreiteira de grande porte que decidem colaborar com as investigações sobre desvios na Petrobras para tentar obter uma pena menor.

    Os procuradores, no entanto, recusaram o acordo com João Auler, presidente do conselho de administração da empreiteira.

    Segundo a Folha apurou, o acordo foi recusado porque os procuradores consideram que o executivo não contara tudo o que sabia sobre as irregularidades em que a empreiteira está supostamente envolvida.

    A dupla que fez o acordo é formada pelo presidente da empreiteira, Dalton Avancini, e pelo vice-presidente Eduardo Leite. Com os novos acordos, a Lava Jato passa a ter 15 delatores.

    Os dois novos delatores acertaram o pagamento de uma multa cujo valor deve ultrapassar R$ 10 milhões.

    O trio está preso desde novembro do ano passado, quando a Polícia Federal desencadeou a nona fase da Lava Jato, batizada de Juízo Final. Eles são acusados de pagar propina para conseguir contratos com a Petrobras.

    A dupla que fechou o acordo deve ser solta nos próximos dias.

    A Camargo Corrêa tinha uma espécie de conta-corrente com Youssef, segundo o próprio doleiro, que disse ter adiantado dinheiro para a empreiteira em certos casos.

    Numa conversa gravada pela Polícia Federal, Youssef reclama: “Tô com um pepinão aqui na Camargo que você nem imagina. Cara me deve 12 paus [R$ 12 milhões], não paga. Pior que diretor é amigo, vice-presidente é amigo”.

    A expectativa dos procuradores é que os executivos revelem, além dos problemas da Petrobras, irregularidades na construção da usina de Belo Monte, na Amazônia.

    A empreiteira havia tentado fechar um acordo de leniência com o Ministério Público Federal, mas abandonou as negociações alegando que a multa proposta pelos procuradores, de R$ 1,5 bilhão, provocaria a quebra da empresa.

    Acordo de leniência é o equivalente ao acordo de delação para empresas.

    O primeiro valor estipulado pelo grupo de procuradores foi de R$ 2 bilhões, superior ao valor da empreiteira antes da Lava Jato, de R$ 1,7 bilhão, segundo avaliação de um banco, de acordo com um executivo da empresa ouvido pela Folha.

    A Camargo Corrêa aceitava pagar até R$ 500 milhões, mas os procuradores declinaram da oferta por considerar o valor baixo.

    Após a operação, a estimativa de executivos da Camargo Corrêa e de concorrentes é que a empresa valha menos de R$ 1 bilhão.

    Em 2013, a empreiteira teve uma receita de R$ 5,9 bilhões e tinha 28 mil funcionários, segundo o relatório anual do grupo.

    A Camargo Corrêa perdeu valor após as investigações porque terá de pagar multas milionárias impostas pela Justiça e vai perder negócios futuros da Petrobras, que a colocou no final de 2014 numa lista de 23 empresas proibidas de assinar novos contratos com a estatal petroleira.

    Só numa ação de improbidade apresentada na semana passada, os procuradores pedem que a Camargo pague uma multa de R$ 844 milhões junto com a Sanko Sider (empresa acusada de ter sido usada para o repasse de suborno pago pela empreiteira).

    Em outra ação penal, contra a Camargo Corrêa e a UTC, o Ministério Público cobra mais R$ 429 milhões.

    O grupo do qual a Camargo faz parte, no entanto, alcançou uma receita de R$ 25,8 bilhões em 2013, o último dado disponível.

    Procuradores da Lava Jato acusam a Camargo Corrêa de ter pago cerca de R$ 40 milhões em propina para conseguir contratos como o da a construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e a modernização da refinaria Presidente Vargas, no Paraná.

    Só esses dois contratos com a Petrobras somam R$ 7,9 bilhões.

    OUTRO LADO

    O advogado de dois executivos da Camargo Corrêa, Celso Vilardi, disse às 22h30 desta sexta (27) que não havia sido avisado “oficialmente” sobre a conclusão do acordo –ele defende João Auler e Dalton Avancini.

    Vilardi afirmou que, sendo verdadeira a conclusão do acordo, vai renunciar à defesa de Avancini e continuará atuando no caso de João Auler.

    Ele não quis emitir julgamentos sobre os dois que se tornaram delatores por não conhecer os termos do acordo.

    O advogado diz que foi Auler quem preferiu não fechar o acordo.

      Editoria de Arte/Folhapress  


    Publicado por jagostinho @ 10:24



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.