Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 02mar

    GAZETA DO POVO – Raphael Marchiori

     

    Manobra das empresas de ônibus indica sangria do lucro do sistema

    Balancetes das viações de Curitiba e região têm movimentação de R$ 55,6 milhões, mas auditores dizem que valor pode ser maior

     

    Henry Milleo/Gazeta do PovoDestino do lucro do transporte, Stabile Participações funciona em cima de concessionária. | Henry Milleo/Gazeta do Povo

    Destino do lucro do transporte, Stabile Participações funciona em cima de concessionária.

     

    Balanços financeiros das empresas de ônibus de Curitiba analisados por auditores das comissões da tarifa colocam em dúvida o real faturamento do setor.

    As comissões suspeitam que empresários estão utilizando empresas menores do mesmo grupo familiar para drenar os lucros.

    Os balancetes das viações de dezembro de 2010 a junho de 2013 têm movimentações com outras empresas da família Gulin que ultrapassam R$ 55 milhões.

    São empréstimos, aprisionamentos de recursos e depósitos judiciais. Para especialistas, essas transações só ocorrem por conta de uma brecha no edital.

    As movimentações com empresas administradoras de bens do grupo – em alguns casos, gerentes das próprias viações –, vão na contramão do alegado prejuízo do setor.

    Segundo os empresários, o déficit atual é de R$ 760 milhões. Além de custos subestimados, eles afirmam que esse valor decorre de uma ‘contenção artificial na tarifa’ promovida pela Urbs desde 2010.

    De lá para cá, o valor repassado às empresas por passageiro, a tarifa técnica, subiu 35%. E há previsão de novo aumento nos próximos dias, assim que for definido o reajuste dos trabalhadores. Para o usuário, a tarifa já subiu no mês passado.

    Dados de uma das comissões que analisam a licitação identificaram ao menos 17 dessas empresas subsidiárias.

    Apesar de terem capital social de R$ 365 milhões, auditores apontam que elas servem apenas como subsidiárias das viações.

    A reportagem visitou as sedes registradas na Junta Comercial.

    Elas estão em sobrados, salas comerciais abandonadas e consultórios. Há endereços que coincidem com os de garagens de ônibus.

    A Stabile Participações, por exemplo, funciona em cima de uma concessionária de automóveis do grupo.

    Com capital social de R$ 34 milhões, ela tinha cinco pessoas trabalhando durante a visita da reportagem e foi indicada por uma das funcionárias como sendo o setor de recursos humanos da Viação Santo Antônio.

    “É tudo a mesma empresa”, disse.

    Já a Senestra Participações tem sede registrada dentro da garagem da Viação Sorriso e um capital social de R$ 56 milhões. Os balanços dessa viação registraram movimentações de mais de R$ 16 milhões com a subsidiária.

    Mas uma busca na internet te leva a um edifício comercial na Avenida República Argentina, no Portão, onde funciona o consultório do oftalmologista Elizeu Gulin – que também é sócio da holding e da empresa de ônibus.

    Uma brecha no edital torna essas movimentações legais. Como o texto não obrigou os vencedores a formarem ‘sociedades de propósito específico’, as viações podem ter em seus balancetes os empréstimos a outras empresas.

    Mas isso, segundo especialistas, prejudica a fiscalização. Para o advogado Luiz Eduardo Menezes Serra Netto, da área do Direito Público e Econômico, o edital foi mal redigido.

    “De modo geral, as concessões exigem que as empresas sejam de propósito específico para evitar situações como essas”.

    Os auditores que pedem a redução da tarifa vão além. “Os empresários pegam o lucro das captadoras [empresas de ônibus] e transferem para essas empresas de participação. Por isso os balancetes das viações estão sempre deficitários”, disse um dos integrantes das comissões que apura irregularidades na concessão há dois anos.

    Os entrevistados, que pediram para não se identificar, defendem que quem deve se manifestar sobre o caso é o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).



    Publicado por jagostinho @ 08:04



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.