Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18jun

    VEJA.COM

    Manifestantes atacam comitiva de senadores brasileiros em Caracas

    Chavistas cercaram o ônibus que transporta os senadores e, aos gritos, deram tapas na lataria do veículo. Segundo o senador Ronaldo Caiado, manifestantes jogaram pedras

    Ônibus com a comitiva de senadores brasileiros durante visita em apoio aos líderes oposicionistas da Venezuela

    Ônibus com a comitiva de senadores brasileiros durante visita em apoio aos líderes oposicionistas da Venezuela(Reprodução/Twitter)

    (Atualizado às 16h45)

    A comitiva de senadores de oposição do Brasil foi cercada por manifestantes em Caracas e, segundo o senador Ronaldo Caiado (DEM), o ônibus foi apedrejado.

    A comitiva estava a caminho do presídio onde tentariam visitar Leopoldo López, preso político do governo venezuelano comandado por Nicolás Maduro.

    Os manifestantes aproveitaram o trânsito engarrafado para cercar o ônibus em que estava os senadores com os gritos de guerra “Chávez não morreu, se multiplicou” e “Fora, fora”.

    Em seu Twitter oficial, o senador Aécio Neves (PSDB) escreveu: “Estamos em Caracas, sitiados em uma via pública. Nossa van foi atacada por manifestantes”.

    A comitiva estava acompanhada de batedores da Polícia Militar da Venezuela.

    Com o trânsito travado devido “a obras de manutenção”, o ônibus com os senadores brasileiros teve de retornar ao aeroporto, mas o terminal onde está o avião da FAB que os aguarda foi fechado.

    Enquanto o terminal não abre eles aguardam dentro do ônibus. Além de Aécio, a comitiva é composta pelos senadores Aloizio Nunes (PSDB), Cássio Cunha Lima (PSDB), Ronaldo Caiado (DEM), Agripino Maia (DEM) e Sérgio Petecão (PSD).

    A ex-deputada venezuelana oposicionista Maria Corina Machado, cassada pelo Parlamento chavista, também acompanha os senadores brasileiros.

    Os manifestantes deram tapas na lataria do ônibus, que também transporta esposas dos políticos opositores venezuelanos presos.

    Segundo o senador Cássio Cunha Lima, logo após desembarcarem em Caracas, ao ingressarem no ônibus, batedores tentaram conduzir o grupo diretamente para o presídio, impedindo desta forma que os parlamentares fossem recebidos pelas esposas dos políticos presos e pela imprensa que aguardava o grupo no saguão do aeroporto.

    Ainda segundo Cássio Cunha Lima, ao deixarem a aeronave, eles foram filmados pelos militares. “Tivemos que furar o cerco dos batedores venezuelanos para podermos nos encontrar com as esposas”, disse.

    Na chegada, Aécio Neves ressaltou que as manifestações não só da região, mas de representantes de entidades de outras partes do mundo, podem “sensibilizar” as autoridades venezuelanas para marcar eleições livres e libertar os presos políticos.

    Há expectativa de que representantes do Parlamento europeu desembarquem nas próximas semanas em Caracas em defesa da libertação dos presos políticos.

    A visita dos parlamentares brasileiros à Venezuela foi considerada pela deputada Maria Corina Machado, “um gesto histórico”.

    “O governo da Venezuela não quer que o mundo conheça a nossa realidade de perseguição da imprensa e separação dos poderes”, disse.

    ‘Manutenção’ – O clima na chegada dos parlamentares brasileiros a Caracas foi de muita tensão.

    Neste momento, o comboio de carros que acompanha os senadores está parado no trânsito por causa de uma manutenção em um túnel da rodovia que liga Caracas à região onde fica o presídio militar de Ramo Verde.

    De acordo com Maria Corina, a manutenção não estava programada e foi armada para impedir a comitiva de visitar os presos políticos.



    Publicado por jagostinho @ 17:06



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.