Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 06jul

    LEONARDO SAKAMOTOLEONARDO SAKAMOTO – UOL – É jornalista e doutor em Ciência Política. Cobriu conflitos armados e o desrespeito aos direitos humanos em Timor Leste, Angola e no Paquistão. Professor de Jornalismo na PUC-SP, é coordenador da ONG Repórter Brasil e conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão.

     

    Pode-se discordar da forma com a qual o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e seu partido, o Syriza, estão conduzindo a negociação com credores internacionais.

    Afinal, dependendo do impacto do resultado do plebiscito deste domingo, que disse “não” para os acordos que afundam a qualidade de vida da população grega, ele pode significar a saída da zona do euro.

    Quase 40% da população grega discordou. E, mesmo assim, não saiu distribuindo sopapos com os mais de 60% contrários aos acordos.

    E, segundo as informações divulgadas até agora, não está promovendo o ódio nas redes sociais, como acontece por aqui.

    Mas o Syriza (Synaspismós Rizospastikís Aristerás, ou Coligação da Esquerda Radical) não mentiu ou omitiu.

    Disse em sua campanha que iria contra os acordos leoninos que haviam sido assinados pelo governo anterior.

    E foi eleito com essa plataforma. Ou seja, não pode ser acusado de estelionato eleitoral.

    É claro que a economia grega é minúscula comparada à brasileira, o Brasil é muito mais complexo socialmente do que Grécia e, com o “não” eles podem passar por um período sombrio de dificuldades e dúvidas.

    Mas o efeito de comparação com as promessas eleitorais de Dilma é automático.

    Durante sua campanha à reeleição, ela garantiu a manutenção de direitos trabalhistas e previdenciários e criticou duramente seus adversários por conta de soluções neoliberais coordenadas por banqueiros que seriam implantadas caso vencessem.

    Depois de eleita, esqueceu o que havia prometido e preferiu governar com a banca e não com a rua.

    É emblemático, portanto, que mais de 60% da população tenha dado um voto de confiança ao Syriza.

    E, por aqui, a popularidade do Planalto desceu a um dígito.

    Durante muito tempo, a esquerda latino-americana encheu a boca para falar que os olhos do mundo estavam voltadas para ela, pois suas políticas poderiam servir de inspiração.

    Agora, os olhos da esquerda estão no Syriza, na Grécia, e no Podemos, na Espanha, frutos da insatisfação, da renovação e das manifestações sociais na Europa.

    Analistas apontam que os votos dos mais jovens, que sofrem com o desemprego diante das políticas de austeridade no continente, foram fundamentais neste plebiscito.

    Da mesma forma que serão nas eleições de 2018 no Brasil – os ultraconservadores já perceberam isso e estão em plena campanha por corações e mentes, mas a esquerda não muito bem.

    Que a experiência do Syriza ajude a mostrar caminhos para a transformação social no século 21 – com nova cara e novas reflexões.

    Inspirando o lado de cá do Atlântico a criar uma nova esquerda, que não seja contaminada pelos erros do passado, mas volte a se lembrar da razão de sua existência.



    Publicado por jagostinho @ 10:24



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.