Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 20jul

    FOLHA.COM

     

    Em carta, ex-presidente da Sete Brasil admite ter recebido propina

     

    Numa carta enviada em março à direção da Sete Brasil, o ex-presidente da empresa João Carlos Ferraz admite pela primeira vez que recebeu US$ 1.985.834,55 em propina dos estaleiros que trabalham para a companhia na construção de sondas de exploração do pré-sal.

    Ferraz afirma ter aceito as “gratificações” num “momento de fraqueza”, em que era pressionado por colegas.

    Ele não esclarece quem pagou nem quem o pressionou. Diz que não pegou nada além do que declarou e pede um número de conta bancária para devolver o dinheiro.

    A Sete foi criada pela Petrobras para administrar as sondas do pré-sal.

    Além da própria estatal, tem como sócios um grupo de bancos e fundos de pensão estatais.

    Leo Pinheiro/Valor
    João Carlos Ferraz, ex-presidente da Sete Brasil, na sede da empresa, no Rio de Janeiro
    João Carlos Ferraz, ex-presidente da Sete Brasil, na sede da empresa, no Rio de Janeiro

     

    Até a confissão de Ferraz, apenas o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, um dos delatores da Operação Lava Jato, tinha falado em propinas na Sete Brasil.

    A carta do executivo foi enviada à equipe interna da Sete que auditou a companhia depois de Barusco ter revelado à Justiça que o esquema de corrupção na Petrobras foi replicado na Sete.

    A empresa estima que as propinas somaram US$ 224 milhões. Segundo depoimento de Barusco, dois terços foram para o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

    O restante foi dividido com gente da Sete e da Petrobras, como o ex-diretor Renato Duque.

    No mês passado, a Sete abriu um processo contra Ferraz que corre em segredo de Justiça.

    A empresa pede que seu ex-presidente devolva R$ 22,2 milhões, valor que inclui os recursos desviados, sua indenização pela rescisão contratual e os bônus pagos por desempenho no período em que comandou a companhia.

    Há cerca de duas semanas, Ferraz tentou um acordo com a Sete para pôr fim ao processo. Propôs devolver menos da metade do que é cobrado, mas os acionistas da companhia não aceitaram.

    Em sua carta, o executivo assume ter recebido propina entre maio e dezembro de 2013.

    Afirma que, fora esse episódio, não haveria mais nada que pudesse “macular suas demais atividades” na empresa, realizadas com “zelo e competência”.

    Para “mostrar boa-fé”, como ressalta na carta, Ferraz se comprometeu a dar uma procuração para que a Sete checasse a “inexistência de outros valores depositados no exterior a partir de sua posse como diretor da empresa”.

    CONTA NA SUIÇA

    Primeiro presidente da Sete Brasil, Ferraz ficou no cargo de dezembro de 2010 até maio de 2014.

    Ele e Pedro Barusco, ex-diretor de operações da companhia, eram colegas na Petrobras e foram indicados pela estatal para a diretoria da Sete, que estava sendo montada.

    Ferraz deixou a Sete porque parte dos acionistas não estava contente com seu desempenho. Saiu levando indenização de R$ 11,5 milhões, mas tentara receber quase o dobro.

    No fim de 2014, em acordo de delação, Barusco afirmou que ele, Ferraz e o também ex-diretor da Sete Eduardo Musa tinham combinado o pagamento de propina com os estaleiros EAS, Brasfels, Jurong, Enseada e Rio Grande.

    Disse também que os três tinham conta Suíça, onde o dinheiro era depositado. De acordo com Barusco, os estaleiros contratados pela Sete pagariam de 0,9% a 1% do valor de construção de cada sonda, em troca dos contratos.

    Barusco recebeu 0,1% a mais dos estaleiros Jurong e Brasfels sem que os parceiros soubessem porque, segundo seu depoimento à Justiça, “achava injusta a distribuição diante do fato de ter sido um dos principais responsáveis pelo projeto”.

    Ao todo seriam feitas 28 sondas, orçadas em US$ 22 bilhões. Depois de prontas elas seriam alugadas à Petrobras.

    O envolvimento da Sete com a Lava Jato acabou comprometendo a empresa, que hoje está paralisada em processo de reestruturação.

    RAIO-X SETE BRASIL

    A EMPRESA

    Foi criada em dezembro de 2010 para construir 28 sondas de perfuração que serão alugadas à Petrobras para exploração do pré-sal

    PRINCIPAIS SÓCIOS

    BTG Pactual, Bradesco, Santander, fundos de pensão estatais, FI-FGTS e Petrobras

    LAVA JATO

    Em delação, Pedro Barusco, ex-executivo da Petrobras e da Sete, afirmou que ele, outros diretores das empresas e o ex-tesoureiro do PT João Vacari Neto receberam dinheiro dos estaleiros contratados para fazer as sondas

    ESTALEIROS

    Já contratou Jurong, Brasfels, Enseada, Rio Grande e Atlântico Sul

    CONFISSÃO

    O ex-presidente da Sete João Carlos Ferraz admitiu ter recebido quase US$ 2 milhões de estaleiros que trabalham para a empresa e propôs devolver o dinheiro

    SITUAÇÃO

    A ligação com a Lava Jato impediu a empresa de receber um financiamento de US$ 9 bilhões do BNDES. Em junho, sócios e credores da Sete chegaram a um acordo para injetar dinheiro na empresa



    Publicado por jagostinho @ 13:18



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.