Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25jul

    ISTOÉ – Helena Borges ([email protected])

    A medicina investe na criação de adesivos que imunizam contra doenças ou tratam males como a diabetes. Eles permitem ação rápida e prometem menos efeitos colaterais. No Brasil, a última novidade é um produto que controla os sintomas do Parkinson

     

    A substituição de pílulas ou injeções por adesivos ganha destaque na prevenção e combate às doenças.

    Mais conhecida por ser uma alternativa de administração de anticoncepcionais ou de substâncias para ajudar a parar de fumar, por exemplo, a opção está sendo estudada para ministrar vacinas e combater males como a diabetes.

    No Brasil, a última novidade nesse campo foi a chegada do primeiro tratamento transdérmico para a doença de Parkinson, enfermidade neurodegenerativa caracterizada por tremores e dificuldades de movimentos.

    MED-01-IE.jpg

    02.jpg

    Chamado de Neupro e fabricado pela UCB Pharma, o adesivo é o único do mundo com esta indicação e está disponível em mais de 40 países.

    Ele deve ser colocado sobre a pele (dos ombros, dos braços ou do abdome).

    O produto libera ao longo de 24 horas a rotigotina, composto absorvido pela cútis e cuja função é agir sobre os receptores de dopamina, substância envolvida no processamento dos movimentos e que, na doença de Parkinson, encontra-se em quantidade desequilibrada.

    “A liberação contínua do remédio é uma vantagem”, explica a neurologista Roberta Saba, da Universidade Federal de São Paulo.

    A ideia é a de que, dessa forma, os sintomas seriam controlados de maneira mais uniforme.

    Outra característica apontada pelos defensores do tratamento é o fato de, por ser absorvida através da pele e cair direto na corrente sanguínea, a rotigotina não passaria pelo trato gastrointestinal, como ocorre com as pílulas.

    “Muitos remédios por via oral são agressivos para o sistema gástrico”, afirma o neurologista Delson José da Silva, membro da Academia Brasileira de Neurologia e chefe da Unidade de Neurologia e Neurocirurgia do Hospital das Clínicas de Goiás.

    “O adesivo proporciona melhor alívio dos sintomas com menos efeitos colaterais.”

    No entanto, há especialistas com outra opinião. “A via oral ainda é o consenso nos remédios de Parkinson porque é a mais fácil de administrar e tem maior absorção”, diz o neurocirurgião Cláudio Fernandes Corrêa, presidente do Instituto SIMBIDOR, que realiza o Simpósio Brasileiro e Encontro Internacional sobre Dor.

    Apesar das controvérsias, a busca por opções do gênero contra a doença continua pelo mundo. Na Coréia do Sul, pesquisadores da Universidade Nacional de Seul desenvolvem um adesivo que utiliza nanopartículas de sílica ativadas por calor.

    Elas monitoram a atividade muscular, aumentando ou diminuindo a liberação da rotigotina de acordo com a necessidade.

    Segundo os cientistas, o modelo seria muito apropriado para tratar a doença de Parkinson porque os tremores que a caracterizam não são constantes.

    01.jpg
    SÓ QUANDO PRECISA
    Zhen Gu é um dos criadores de adesivo que libera insulina de acordo com a necessidade

    Nos Estados Unidos, foi criado um adesivo com capacidade semelhante, dirigido ao tratamento da diabetes.

    Ele tem duas funções: primeiro detecta o aumento do nível de açúcar no sangue, característico da doença. Em seguida, para regularizar a taxa glicêmica, libera doses de insulina.

    O hormônio é o responsável pela passagem do açúcar do sangue para dentro das células.

    De formato quadrado, com menos de um centímetro de área, o adesivo é coberto com cerca de cem microagulhas que possuem, em seu interior, cargas microscópicas de insulina e enzimas sensíveis à glicose.

    “Criamos uma alternativa contra a diabetes que funciona rapidamente e é fácil de usar”, disse Zhen Gu, um dos envolvidos no desenvolvimento do adesivo.

    Os testes feitos em cobaias cujos resultados foram divulgados na última semana mostraram que o tratamento manteve baixo o nível de glicemia dos animais por mais de nove horas.

    A tecnologia empregada no novo adesivo é vista com otimismo pelos especialistas.

    “Quando a insulina é injetada de modo tradicional, há um pico na sua concentração”, explica o endocrinologista Adolpho Milech, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    “E depois que ela passa pelo fígado, ocorre uma queda brusca na sua quantidade. Neste novo modelo a liberação é pequena, mas sustentada.”

    IE2382pag70e71_Medicina-2.jpg

    Mais adiantados estão os estudos para a fabricação de vacinas em forma de adesivos. Cientistas da Universidade King’s College, de Londres, desenvolveram um produto repleto de microagulhas que perfuram a pele, injetando as substâncias ativas das vacinas.

    Não há a dor da injeção. Ele é feito de silicone e tem o tamanho de uma moeda de um centavo. Como o adesivo mantém sua efetividade à temperatura ambiente, a técnica foi considerada revolucionária, já que um dos maiores problemas de saúde pública é levar os remédios e vacinas a países que não possuem infraestrutura de armazenamento.

    “Mostramos que é possível manter a eficácia de uma vacina tradicional usando as microagulhas”, explicou a pesquisadora Linda Klavinskis, do Departamento de Imunologia de King’s College.

    Para quem sofre de enxaqueca, há um adesivo eletrônico, aprovado pelo FDA, órgão americano de controle de drogas e alimentos.

    Ele utiliza cargas elétricas para liberar sumatriptano, princípio ativo que já se encontra no Brasil em comprimidos e em spray nasal.

    “Há um estímulo elétrico, mas é tão leve que a pessoa não sente nada”, explica a neurologista Célia Aparecida Roesler, membro da Sociedade Internacional de Cefaleia.

    O remédio ainda não chegou ao País.

    Fotos: Dae-Hyeong Kim / Nature Nanotechnology; Courtesy of Zhen Gu, PhD; divulgação 



    Publicado por jagostinho @ 19:05



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.