Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 28jul

    PARANÁ ONLINE  –  Adriana Brum

     

    Imundice na calçada

     

     

    Rua do Boqueirão é um verdadeiro lixão a céu aberto

     

     

    IMUNDICIE NO BOQUEIRÃO

     

    O casal Gerônimo Kobernovicz, 20 anos, e Talita da Silva, 25, sabe que não é o ideal, mas não tem outra opção: ao chegar à esquina da Rua Dr. Simão Kossobudski com a Rua Carlos Essenfelder, no Boqueirão, só têm a rua como opção pra levar o carrinho do bebê.

    Isso porque a calçada das duas ruas naquele trecho, na quadra do Clube Atlético Nacional, está ocupada por entulhos.

    “É perigoso, mas a gente já se habituou a prestar atenção a andar no meio dos carros. Mas imagina se é um cadeirante, uma idosa que precisa passar por aqui? E não é só o lixo. Às vezes tem fogueira acesa, animais mortos”, reclama Talita, que percorre o trecho diariamente no caminho pra casa.

    Entre a sujeira, estão galhos, resultado da poda das árvores do Nacional, e lixo.

    Montanha de lixo obriga pedestres a andarem pela rua. Foto: Felipe Rosa.

    Montanha de lixo obriga pedestres a andarem pela rua. Foto: Felipe Rosa.

     

    O presidente do Clube Atlético Nacional, José Franciso Cunico Bach, conta que pede à prefeitura, desde março, que o lixo seja recolhido.

    “Fiz pedidos por telefone, fui até a Regional do Boqueirão, me prometeram que o material ia ser retirado e, até agora, nada. Queremos é resolver a situação. Claro que é um problema, ruim pra comunidade, que tem de andar na rua, ruim pros jogadores do clube, já que não podemos usar o calçamento da via pra eles fazerem o aquecimento”, lamenta.

    A Secretaria de Obras Públicas informou que solicitou à Secretaria do Meio Ambiente a limpeza da área de passeio da Rua Dr. Simão Kossobudski e o recolhimento do lixo descartado irregularmente na Rua Carlos Essenfelder.

    Cadê o ponto?

    Na Rua Coronel José Luiz dos Santos, povo tem que esperar o Interbairros do outro lado da rua. Foto: Felipe Rosa.

    Na Rua Coronel José Luiz dos Santos, povo tem que esperar o Interbairros do outro lado da rua. Foto: Felipe Rosa.

     

    O monte de metal retorcido na Rua Coronel José Luiz dos Santos, a uma quadra do Rio Belém, está ali há mais de um mês, justamente ao lado da pista em que o calçamento é estreito e ladeado por uma vala.

    Antes era um ponto de ônibus do Interbairros III, no trajeto sentido Terminal do Carmo.
    Um acidente de trânsito destruiu a cobertura e o piso do ponto de ônibus localizado quase na esquina com a Rua Willian Booth.

    O que dificulta a vida de quem precisa esperar a condução naquele ponto do Boqueirão.

    Como a rua é movimentada, sem o ponto de ônibus e o monte de entulho do que restou dele ocupando o lugar, não é difícil encontrar quem prefira esperar do outro lado da rua, expondo-se ao risco de ter de atravessar às pressas.

    A Urbs informou que está elaborando projeto pra realocação deste ponto pra local próximo, com a colocação de um novo piso, guarda corpo e cobertura. O reparo deve ser iniciado nos próximos dias, mas sem data definida.

    Enquanto isso, gente como a dona de casa Juliane Pinheiro, 31 anos, e sua mãe, esperam do outro lado da rua. “Já tem mais de um mês que está assim.

    A gente fica de olho lá na lombada eletrônica [a menos de 50 m do ponto de ônibus] pra ver quando o próximo Interbairros vem. E às vezes demora…

    É torcer pra quando um aparece lá em cima, conseguir atravessar a tempo”, fala.



    Publicado por jagostinho @ 13:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.