Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 31jul

    REINALDO AZEVEDO 2BLOG DE REINALDO AZEVEDO – VEJA.COM

     

    Dilma, os governadores, as conversas sobre o nada e… o disparate final

     

    Conforme o antevisto aqui, a conversa de Dilma Rousseff com os governadores girou em torno do nada.

    Sem agenda, foi preciso improvisar uma coisa qualquer antes da foto — o que já chamei aqui de “abraçaço da afogada”.

    Disse a presidente, entre outras coisas, num longuíssimo discurso de 32 minutos, segundo leio na Folha:

    “Eu não nego as dificuldades, mas afirmo que todos nós, e o governo federal em particular, temos como enfrentar essas dificuldades e em um prazo bem mais curto do que alguns pensam.

    […] É importante estabelecer parcerias e enfrentar os problemas juntos”.

    Mais “rápido” quanto? Qual é o plano? Quem são esses “alguns” que estariam pensando errado? Uma pessoa ali, com certeza, fazia afirmações sem sentido.

    Dilma ensaiou os motivos da crise por que passa o Brasil: “o colapso no preço das commodities, a grande desvalorização da moeda, com impacto nos preços e na inflação”. Não dá!

    A desvalorização das commodities mostrou que viria para ficar já em meados de 2012, quando Dilma estava com um ano e meio de seu primeiro mandato.

    Agora ela vem alegar tal fator para explicar as dificuldades brasileiras?

    E o câmbio? Qualquer que seja ele, é a realidade internacional que está impondo isso ou aquilo?

    Nem ela acredita nisso. E menos ainda acreditaram os que a ouviram.

    Um governante em crise precisa apostar em certo heroísmo. Aludindo, como sempre, a seu passado, lá veio a presidente:

    “Eu, pessoalmente, sei suportar pressão e até injustiça, e isso é algo que qualquer governante tem que se capacitar e saber que faz parte da sua atuação. Tenho ouvido aberto, enquanto razão, e o coração, enquanto sentimento, para saber que o Brasil que cresceu e não se acomoda é o Brasil que nós queremos, que sempre quer mais”.

    Então tá. Dilma deveria ir à televisão, em rede nacional, explicar que é uma injustiça que o povo cobre que ela cumpra o que prometeu. Ela pode tentar jogar a culpa no preço das commodities.

    Dilma falou sobre as dificuldades fiscais, lembrando ser esse um problema de todo mundo, observou que assumiu o desgaste de vetar algumas propostas que geravam impacto negativo nas contas públicas e, por óbvio, acabou sugerindo que os governadores a auxiliem na relação com o Congresso.

    Pacto

    No fim das contas, meus caros, a conversa de fundo era mesmo alguma coisa parecida com um pacto de governabilidade — só que sem agenda.

    Precisando propor alguma coisa, Dilma sugeriu que todos se unissem em favor da redução de homicídios e da população carcerária. O que isso tem a ver com o conjunto da obra? Ninguém sabe.

    Até porque, entre os presentes, estava Geraldo Alckmin (PSDB), governador de São Paulo.

    O Estado tem hoje a menor taxa de homicídios do país (9,38 por 100 mil), está entre os que mais prendem e tem a maior população carcerária do país: concentra 22% da população e 40% dos presos.

    Mais assassinos presos, menos assassinos matando na rua.

    A equação é elementar demais para a dialética sem metas de Dilma.

    No fim das contas, os governadores entenderam tudo: Dilma não estabeleceu meta nenhuma, mas prometeu que, tão logo ela a cumpra, a meta será dobrada.

    Entenderam?



    Publicado por jagostinho @ 10:48



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.