Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 14ago

    VEJA.COM

     

    Presidente da CUT chama movimentos de esquerda a ‘sair às ruas com armas na mão’

     

    Em encontro com a presidente Dilma, sindicalista afirmou que “qualquer tentativa de atentado à democracia” transformará movimentos sociais em um exército

     

     

    Presidente Dilma Rousseff durante Diálogo com Movimentos Sociais Brasileiros no Palácio do Planalto em Brasília (DF) - 13/08/2015
    Dilma: aceno à esquerda em meio a crise(Roberto Stuckert Filho/PR)

    Meses depois do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ameaçar enfrentar com o ‘exército de Stédile’ os movimentos que pedem a saída da presidente Dilma Rousseff, um novo exército apresentou-se nesta quinta-feira em defesa do mandato da petista.

    O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, pediu aos movimentos sociais a ida à “rua entrincheirados, com armas na mão, se tentarem derrubar a presidente”.

    A frase foi dita durante o evento Diálogo com Movimentos Sociais – do qual a própria presidente participou, em mais um aceno à esquerda diante do agravamento da crise política.

    Freitas afirmou ainda que se houver “qualquer tentativa de atentado à democracia, à senhora ou ao presidente Lula nós seremos um exército”.

    Como os outros que o antecederam, o presidente da CUT fez duras críticas ao ajuste fiscal e ao mercado financeiro.

    “O mercado nunca deu e nunca dará sustentação ao seu governo. O povo dá sustentação ao seu governo”, disse.

    “Queremos também que governe com a pauta que ganhamos na eleição passada e não com recessão”, concluiu.

    Com o alegado objetivo de “defender a democracia”, representantes de mais de 50 entidades se reúniram com a presidente na de ontem.

    Após críticas ao ajuste fiscal, Dilma iniciou o discurso pregando um esforço para diminuir a desigualdade do país.

    “No passado foi possível fazer o país para menos da metade (da população), para um terço. Hoje é inadmissível”, disse.

    “Quem sempre teve dificuldade de compreender as diferenças foram as elites do nosso país”, completou.

    Publicado por jagostinho @ 09:13



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.