Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15dez

    VEJA.COM

     

     

    Polícia rastreia ligações de ex-diretor da Odebrecht para Instituto Lula

     

     

    Assessor de Lula combinava com ex-diretor da Odebrecht as respostas que o instituto daria à imprensa sobre as relações do ex-presidente com a empreiteira

     

     

    Alexandrino de Alencar, executivo da Odebrecht, preso na 14ª fase da operação Lava Jato, faz exame de corpo delito no IML de Curitiba (PR) - 20/06/2015
    Alexandrino Alencar ligou 16 vezes para o endereço de trabalho de Lula. PF ainda encontrou 58
    ligações de ex-diretor da empreiteira para um assessor de Lula(Vagner Rosário/VEJA)

     

    Preso pela Operação Lava Jato em junho, o ex-diretor da Odebrecht Alexandrino Alencar atuava em parceria com o ex-presidente Lula para tentar desmoralizar a cobertura da imprensa sobre o petrolão e as investigações do Ministério Público Federal sobre as relações do petista com a empreiteira.

    Perícia realizada pela Polícia Federal no iPhone de Alexandrino revela que um dos assessores de Lula, José Chrispiniano, era o responsável por informar o ex-diretor da empreiteira sobre cada passo dado pelo Instituto Lula ao divulgar notas oficiais e versões favoráveis ao ex-presidente e à empreiteira.

    Entre janeiro e junho desse ano, Chrispiniano e Alexandrino Alencar trocaram 58 telefonemas.

    O ex-diretor da Odebrecht também telefonou 16 vezes para o Instituto Lula.

    No auge das revelações das relações comerciais de Lula com a Odebrecht, em abril, o assessor de Lula e Alexandrino se encontraram em São Paulo.

    Alexandrino chegava a dar a palavra final sobre alguns dos textos que o instituto iria divulgar à imprensa.

    No aplicativo de mensagens usado por Alexandrino, os investigadores também encontraram várias conversas entre o assessor de Lula e o ex-diretor.

    Em uma das trocas de mensgaens, ocorrida em abril deste ano, Chrispiniano relata para Alexandrino a resposta que enviaria à imprensa sobre reportagens que mostravam a relação de proximidade de Lula e a Odebrecht.

    “Gostei muito”, diz Alexandrino. Em outro trecho, Alexandrino diz ao assessor de Lula que o “chefe ligou p…” ao ler uma reportagem sobre as relações da empreiteira com Lula.

    Não fica claro se Alexandrino se refere a Marcelo Odebrecht ou Lula, a quem ele também costumava chamar de “chefe”.

    Ainda no mesmo mês, o assessor de Lula combina com Alexandrino as respostas que deveriam ser enviadas a VEJA, sobre os pagamentos milionários da empreiteira pelas palestras do ex-presidente Lula.

    No material analisado pela Polícia Federal, Alexandrino também conversa com o deputado federal Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians e amigo de Lula.

    O deputado se diz “um soldado” da Odebrecht e mostra que também fazia a ponte da empreiteira com Lula.

    Numa troca de mensagens de março, Alexandrino fala com o deputado sobre uma reunião com Lula. “O Instituto ainda não confirmou a reunião de sexta-feira, estou cobrando.

    Se não puder, pode ser segunda-feira?”, pergunta Alexandrino ao deputado. “Pode”, diz Sanchez que então sugere que a reunião com Lula seja no sábado.

    “Não sei, acho difícil porque acho que vai pro sítio”, diz Alexandrino, possivelmente se referindo ao sítio usado por Lula em Atibaia.

    Em outra conversa, o deputado petista e Alexandrino falam sobre o doleiro Adir Assad, também preso pela Operação Lava-Jato: “Como chama o doleiro?”, pergunta Sanchez. “Assad”, responde o ex-diretor.

    Alexandrino foi preso na 14ª fase da Lava Jato, junto com o dono da empreiteira, Marcelo Odebrecht.

    O ex-diretor é acusado de ser o responsável por organizar com o doleiro Alberto Youssef o esquema de pagamento de propina no exterior para os corruptos do petrolão.

    Alexandrino era o diretor mais próximo do ex-presidente Lula.

    As investigações do petrolão já revelaram conversas telefônicas em que o ex-presidente Lula trata com o ex-diretor dos movimentos da Odebrecht para tentar evitar a prisão do seu então presidente Marcelo Odebrecht.



    Publicado por jagostinho @ 14:46



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.