Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17maio

    CORREIO BRAZILIENSE

     

    TSE define data para julgamento de pedido de cassação da chapa Dilma-Temer

     

    Novo relatório inclui delação de ex-marqueteiros da campanha e do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.

     

    AFP PHOTO/EVARISTO SA
    Presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, confirmou na tarde desta terça-feira (16/5) para o dia 6 de junho a retomada do julgamento que analisará o pedido de cassação da chapa Dilma-Temer.
    O julgamento havia sido interrompido no mês passado após o pedido da defesa da ex-presidente Dilma de ouvir novas testemunhas e do procurador-geral eleitoral Nicolao Dino de tomar o depoimento dos ex-marqueteiros João Santana e Mônica Moura, que fecharam acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba.
    O julgamento será dividido da seguinte forma: duas sessões ordinárias às 19h do dia 6 e às 9h do dia 8 de junho e mais duas extraordinárias nos dias 7, às 19h, e também no dia 8, às 19h.
    O ministro Herman Benjamin distribuiu ontem aos demais membros da corte o novo relatório colhido a partir das testemunhas ouvidas nas últimas semanas, que incluem ainda o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.
    O relatório tem 1,2 mil páginas e alguns ministros ainda não terminaram a leitura.
    O julgamento também terá como novidade a presença dos dois novos ministros, Adimar Gonzaga, que substitui Henrique Neves, e Tarcísio Vieira de Carvalho, que entrou no lugar da ministra Luciana Lossio.
     
    No parecer entregue ontem, o procurador-geral eleitoral Nicolao Dino pediu a perda dos direitos políticos da ex-pres Dilma Rousseff e isentou o presidente Temer de responsabilidade nas denúncias de caixa 2 nas campanhas de 2010 e 2014, alegando que, pela posição que ocupava na chapa, ele não teria condições de participar diretamente das negociações envolvendo pagamento de propina pela Odebrecht.
     
    Dino já havia feito este pedido em março. Um dos principais argumentos do procurador é que, em depoimentos, João Santana e Mônica Moura afirmaram que Dilma Rousseff sabia do uso de caixa 2 na campanha de reeleição, mas que não trataram de assuntos financeiras com o atual presidente Michel Temer.


    Publicado por jagostinho @ 10:03



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.