Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 27jun

    O GLOBO

     

    Análise: Doria é quem mais tem a comemorar com novo Datafolha

     

    Mesmo com problemas na prefeitura, tucano mantém patamar elevado e rejeição baixa; Bolsonaro mostra que veio para ficar

     

    Pré-candidatos à Presidência em 2018: Lula, Bolsonaro e Doria – Montagem/O GLOBO

     

    A aparente ausência de novidade da nova pesquisa do Datafolha sobre a eleição presidencial, divulgada nesta segunda-feira, mesmo depois da bomba das delações da JBS, esconde alguns indicadores importantes.

    Um dos que mais têm motivos para comemorar é o tucano João Doria.

    Depois de quase seis meses à frente da prefeitura de São Paulo, o “gestor” manteve um bom patamar na pesquisa (10%), ainda mais para um novato, e continua com a rejeição baixa (20%), a segunda menor entre os 12 candidatos avaliados pelo instituto.

    E isso logo depois de o prefeito ter declarado o “fim da cracolândia”, só para vê-la ressurgir horas depois, e da alta dos acidentes nas marginais, como provável consequência do aumento da velocidade autorizado pelo tucano.

    O outro vencedor da pesquisa é o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), assim como Doria um representante da direita que não tem vergonha de ser direita, ainda que haja nuances relevantes entre os dois.

    O levantamento mostrou que o deputado federal, que triplicou suas intenções de voto desde dezembro, é um fenômeno que veio para ficar.

    Bolsonaro, no entanto, nem de longe enfrenta o mesmo escrutínio que o tucano, e pode começar a ceder quando ficar no centro do palco, ou do picadeiro.

    Sua rejeição já é a terceira maior, atrás apenas de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de Geraldo Alckmin (PSDB).

    Sobre Lula, vale o que já foi dito.

    O petista está no patamar histórico onde sempre esteve antes de chegar à Presidência, de cerca de 30% do eleitorado que parece não ligar para as provas de corrupção que o cercam.

    Sua condenação nos próximos dias pelo juiz Sergio Moro (o único que o derrotaria no segundo turno) não deve mudar isso.

    A rejeição perto de 50%, que não para de aumentar e ainda pode ganhar alguns pontos, reforça que sua eleição seria muito difícil num segundo turno contra um candidato viável.



    Publicado por jagostinho @ 12:03



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.