Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 04ago

    GAZETA DO POVO

     

    Doria é paparicado como presidenciável e chama terra da Lava Jato de ‘capital do Brasil’

     

    Prefeito de São Paulo chamou Lula de “Luiz Inácio Mentiroso da Silva” em evento

    João Doria fala a empresários e autoridades paranaenses: discurso pesado contra o PT e Lula. Foto:- Marcelo Andrade

     

    O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), participou nesta quinta-feira (3/8) de evento com empresários em Curitiba, sede das investigações em primeira instância da Lava Jato.

    Tratado como presidenciável por vários participantes do encontro nas rodas de conversa e alvo de tietagem explícita, o tucano chamou a cidade de “capital do Brasil” devido à importância da operação para o futuro da política nacional.

    “A justiça se faz em Curitiba”, disse.

    E, um dia após seu partido ter contribuído para enterrar a denúncia de corrupção contra o presidente Michel Temer (PMDB), Doria preferiu centrar fogo nas críticas ao PT e o ex-presidente Lula, a quem chamou de “Luiz Inácio Mentiroso da Silva”.

    “Muito em breve o Luiz Inácio Mentiroso da Silva terá de se mudar para Curitiba”, disse o prefeito em uma ironia à condenação de Lula pelo juiz Sergio Moro no caso do tríplex.

    “Só não sei se vocês [curitibanos] vão gostar disso.”

    Em outro momento, Doria disse que o ex-presidente não gosta de trabalhar, mas que ele sim.

    Afirmou ainda que o PT é responsável pelo desemprego de 14 milhões de brasileiros e por outras “mazelas”.

    E que é por dizer essas verdades que o PT não gosta dele.

    “Eu não dou moleza ao PT. Eu sei o mal que eles fizeram.”

    Sem descartar candidatura

    Doria foi tratado veladamente como candidato a presidente pelo governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), que também discursou no evento.

    “Espero que no futuro ele [Doria] coloque esse estilo de gestão [implantado em São Paulo] para todo o país”, afirmou Richa.

    Questionado pela Gazeta do Povo se disputaria a Presidência em 2018 caso seja a melhor alternativa tucana para evitar a volta do PT ao Planalto, Doria respondeu de forma enigmática, mas sem descartar a hipótese: “Ao tempo, o tempo”.

    Doria costuma dizer que seu candidato a presidente é o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

    Mas o prefeito paulistano está mais bem posicionado nas pesquisas eleitorais que o governador.

    Doria também vem adotando um forte discurso anti-PT.

    Coxinha desafiado

    Nesta quinta, não foi diferente no encontro com cerca de 450 empresários e autoridades paranaenses, realizado na Universidade Positivo.

    Ele afirmou que decidiu sair de sua “zona de conforto” do mundo empresarial para se lançar candidato a prefeito em 2016 porque se sentiu “desafiado” a enfrentar o mal que o PT fez ao país.

    Afirmou que “Lula e seus asseclas” o acusavam de ser um “coxinha, um riquinho, um empresário que quer brincar de fazer política”.

    Mas que venceu no primeiro turno contra três petistas: o então prefeito Fernando Haddad (PT), Luiza Erundina (ex-PT, hoje no PSol) e Marta Suplicy (ex-PT, hoje no PMDB).

    “Toma, Lula!”, disse.

    Embora o discurso parecesse ser de um candidato, Doria fez questão de ressaltar que faz isso para defender o país contra o PT.

    “Para isso, eu não preciso ser candidato a presidente da República.”

    Reconheceu, porém, que o fato de ser prefeito de São Paulo dá mais visibilidade ao que ele diz.

    Doria também defendeu uma visão empresarial para a política, focada em eficiência da gestão e um Estado mais enxuto.

    Disse ser a favor das reformas trabalhista, da Previdência, política e tributária. Ao fim do discurso, foi aplaudido com entusiasmo pelos participantes.

    Assim como na sua entrada, na saída Doria atendeu a vários participantes do encontro para pequenas conversas e para tirar fotos.

    E o Temer?

    Após seu pronunciamento, Doria falou com a imprensa e foi questionado sobre o arquivamento da denúncia contra Temer por corrupção, na noite da quarta-feira.

    “A meu ver, nesse momento, [o arquivamento] vai ajudar a serenar a política. E ajuda a fazer foco na economia brasileira”, disse.

    “O excesso de turbulência política não ajuda o país.”

    O prefeito ainda afirmou que não cabe a ele fazer um juízo sobre a denúncia contra Temer.

    “Eu cuido do Executivo, não do Legislativo.”

    Doria também disse que o PSDB não está enfraquecido devido a sua divisão interna: embora metade dos deputados votou contra Temer e a outra metade a favor.

    “O PSDB vai ficar como sempre ficou. O partido tem essa característica: um partido com boas cabeças, bons nomes que nem sempre pensam de forma igual.”

    O encontro

    O encontro de João Dora com empresários e autoridades paranaenses foi promovido pelo G7 – grupo que reúne as principais entidades empresariais do Paraná: Fecomércio, Faep, Fiep, Fecoopar, Fetranspar, Faciap e ACP.

    Também teve apoio de outras instituições, como a Universidade Positivo.

    Além de empresários, participaram vários políticos paranaenses.



    Publicado por jagostinho @ 09:01



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.