Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 09out

    NBO

     

    Sem limite de gastos, campanha eleitoral virou “Show do Milhão”

     

     

    Um dos avanços da reforma política seria a criação de um limite para o autofinanciamento de campanhas.

    Essa regra chegou a ser aprovada por deputados e senadores.

    Para a alegria dos milionários, o presidente Michel Temer vetou a mudança ao sancionar a nova lei.

    A Câmara havia fixado um teto de R$ 200 mil para todos os políticos que pretendem bancar as próprias candidaturas.
    Numa trapalhada legislativa, o Senado tentou derrubar o limite e impôs um valor ainda mais baixo, de R$ 9.690,00.

    COMPRAR MANDATOS – Agora Temer resolveu o impasse a favor dos super-ricos. Com a canetada presidencial, eles poderão financiar até 100% de suas campanhas.

    Assim, as eleições de 2018 arriscam se tornar um grande “Show do Milhão”.

    Em vez de comprar votos, como sempre ocorreu, os magnatas poderão comprar mandatos.

    Para um ministro do Tribunal Superior Eleitoral, a derrubada do teto de autofinanciamento representa o primeiro “tiro de canhão” na sucessão presidencial.

    Ele avalia que o veto terá um beneficiário direto: o prefeito João Doria, cujo patrimônio declarado é de R$ 179 milhões.

    Em 2016, o tucano já levou vantagem na eleição de São Paulo ao injetar R$ 4,4 milhões na própria campanha.

    A autodoação representou 35% da receita do tucano e 57% do orçamento do segundo colocado, o petista Fernando Haddad.

    MAIS MAGNATAS – Além de ajudar o aliado Doria, o veto de Temer estimulará os partidos a lançarem outros magnatas.

    Isso tende a distorcer ainda mais a representação política dos brasileiros.

    Em 2014, quase metade dos deputados eleitos (248 dos 513) já tinham patrimônio superior a R$ 1 milhão.

    É ilusão pensar que os super-ricos vão tirar dinheiro do bolso para bancar suas campanhas, seja vendendo iates ou esvaziando contas no exterior.

    Um lobista que quiser entrar na política poderá passar o chapéu entre empresários e dizer à Justiça Eleitoral que só usou recursos próprios.

    Qualquer semelhança… 



    Publicado por jagostinho @ 14:03



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.