Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18jun

    CORREIO BRAZILIENSE / EU ESTUDANTE

     

    Chapa formada por alunos de direita vence eleições para o DCE da UnB

     

    Segunda colocada contava com o apoio de partidos como PT, PCdoB e PSol

     

     

    Bruno Henrique de Moura/Divulgação

     

    Cerca de 6 mil estudantes da Universidade de Brasília (UnB) elegeram a direção do Diretório Central dos Estudantes (DCE).
    Desta vez, alunos com perfil de direita conquistaram o comando da entidade. Com 3.347 votos e discurso em defesa de investimentos privados na instituição, a chapa Aliança pela Liberdade, que chegou a ficar à frente da gestão por cinco anos seguidos, entre 2011 e agosto de 2016, ganhou o pleito, disputado entre terça e quarta-feira.
    O novo presidente ainda não foi definido. O segundo lugar ficou com a Unidade para Resistir, que conquistou 2.273 votos, grupo com composição semelhante ao Todas as Vozes, vitorioso em 2017.

    A falta de recursos públicos na universidade foi um dos principais temas da campanha, assim como problemas de grande interesse para os alunos, como o valor das refeições no Restaurante Universitário (RU).

    Presidente da Aliança pela Liberdade, o estudante de engenharia elétrica André Costa afirmou que a composição da gestão ainda será debatida, uma vez que “a prioridade era vencer as eleições”.
    “Indicaremos os três coordenadores-gerais, e eles escolherão os demais integrantes”, adiantou.
    Segundo a UnB, a posse ocorrerá às 12h de 29 de junho, no prédio do Instituto Central de Ciências (ICC), no Câmpus Darcy Ribeiro. O mandato é de um ano.
    Integrante da Aliança pela Liberdade e estudante do 8º semestre de direito, Bruno Henrique de Moura acredita que a posição política da chapa Unidade para Resistir se tornou fator decisivo para a derrota da chapa.
    “Eles eram incisivos no apoio a ocupações e greves, por exemplo, quando os estudantes se mostraram contrários. A gestão do DCE tem de priorizar a entrega de projetos em vez do enfrentamento político”, defendeu.
    Para exemplificar a insatisfação dos acadêmicos com o comando da Unidade para Resistir, Bruno Henrique apontou o resultado favorável da Aliança nas urnas do Centro Acadêmico de Agronomia.
    Durante uma das manifestações, o local amanheceu pichado e vandalizado. O chamado Udefinho, onde os estudantes da faculdade votam, rendeu à chapa vencedora 313 votos, contra 304 da segunda colocada.
    Na sede da UnB em Planaltina, a Aliança também teve bom desempenho, com o apoio de 138 estudantes — 10 a menos do que a Unidade para Resistir.

    Posição política

    O estudante de comunicação organizacional Matheus Carvalho integrou a chapa Unidade para Resistir, apoiada por partidos de esquerda, como PT, PCdoB e PSol, que ficou em segundo lugar.
    Ele reclama do fato de algumas chapas não terem se posicionado contra a proposta de aumento do valor das refeições no RU da UnB.
    “A chapa que ganhou, por exemplo, não se declarou contra a proposta de o preço das refeições subirem de R$ 2,50 para R$ 6,50. Nós somos totalmente contra esse reajuste”, reforçou Matheus.
    “Na campanha, também criticamos os cortes de repasses para a universidade, sobretudo após a Emenda Constitucional 95 (que trata do teto dos gastos)”, acrescentou Matheus.
    Outro tema importante debatido foi a necessidade de a Universidade de Brasília investir em saúde mental, com campanhas de prevenção ao suicídio entre os alunos.
    Ao todo, eram quatro grupos na disputa. Além dos dois primeiros colocados, o Movimento Resistência Universitária (MRU) e o Ousar, Lutar, Universidade Popular! integraram a lista.


    Publicado por jagostinho @ 16:34



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.