Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12set

    PARANÁ PORTAL – ROGER PEREIRA – FERNANDO GARCEL

     

    Ao prender cúpula do governo tucano no Paraná, Lava Jato rechaça tese de parcialidade

     

    A prisão de Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete do governo do Paraná, em investigação que envolve o ex-governador Beto Richa (PSDB), é a primeira ofensiva da Força-Tarefa da Operação Lava Jato do Paraná contra membros do PSDB.

    Para um dos coordenadores da operação no Ministério Público Federal (MPF), Carlos Fernando dos Santos Lima, a operação de hoje coloca fim aos questionamentos sobre a imparcialidade de operação e à tese de perseguição adotada por membros do PT.

    “A Lava Jato é uma investigação apartidária. A gente já tinha chegado em pessoas de diversos partidos. Infelizmente o foro privilegiado é um obstáculo e nesse caso, pela perda do foro do ex-governador, podemos dar continuidade e mostra que uma investigação no primeiro grau pode dar resultado. Nós não escolhemos esses alvos”, disse o procurador, em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira.

    Para a Força-Tarefa, as 53ª fase da operação até agora mostram o quanto a corrupção contaminou o modo de fazer política no Brasil, independente da linha ideológica e do partido político.

    “É importante lembrar que a lava jato é uma investigação que mostra como a política é financiada no Brasil. Não faz diferença o governo federal, estadual e municipal. O Paraná não é diferente do que foi descoberto em todo o país. Outras investigações demonstram que esse tipo de esquema já existia em outros estados”, contou.

    Operação Piloto

    Batizada de Operação Piloto, uma referência ao suposto nome do ex-governador do Paraná e candidato do PSDB ao Senado Beto Richa na planilha da Odebrecht, a força-tarefa da Lava Jato deflagrou a 53ª fase da investigação nesta terça-feira (11). 

    Nesta fase, a investigação pretende se aprofundar no esquema de corrupção e lavagem de dinheiro nas fraudes ligadas à duplicação da PR-323.

    Foram alvos da operação o ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Rodo; o empresário apontado como “operador financeiro” Theodocio Atherino; e Thiago Rocha, apontado pela investigação como colega de Jorge e responsável por diversas transações financeiras dos empreendimentos do executivo.



    Publicado por jagostinho @ 12:25



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.