Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15nov

    O REACIONÁRIO

     

    Autora de matéria da Folha contra Bolsonaro perde a linha com o Whatsapp após empresa desmentir sua acusação

     

    Quem aqui se lembra de Patrícia Campos Mello, a petista responsável pela matéria que acusava um grupo de empresários (incluindo Luciano Hang) de terem patrocinado conteúdo de campanha de Jair Bolsonaro no Whatsapp?

    Desmentida pelo Facebook, Twitter e Whatsapp, a jornalista reagiu com raiva declarando que o principal não foi respondido.

    Veja os tweets.

     

     

     

    Isso nem de longe pode ser considerado um comportamento aceitável para um profissional de imprensa pelos seguintes motivos:

    1) A jornalista não conseguiu estabelecer uma relação causal ou factual em suas acusações

    2) A jornalista não apresentou prova alguma do que foi dito

    3) A jornalista apelou para o argumento de “que se está na Folha é verdade”

    4) Após ter provocado grandes crispações com seu factoide, a jornalista toma carona na decisão da justiça em investigar suas afirmações como prova de que há procedência

    5) A justiça convoca as empresas citadas a se explicarem

    6) As empresas negam

    7) A jornalista que um dia antes havia celebrado o andamento do caso ataca as companhias por não entregarem o que ela quer

    Até então a tal Patrícia Campos Mello era só mais uma militante de redação, mas depois de hoje ela se mostra ainda mais abjeta.

    O que a jornalista petista queria era um julgamento de exceção, onde o acusado não tem direito ao contraditório e as testemunhas são coagidas a apresentarem as provas que a acusação quer.

    Patrícia se mostra um monstro moral que pretende submeter seu adversário político a um julgamento bolivariano.

    Para os que duvidavam não resta mais dúvida alguma de que Patrícia e seu jornal sujo pretendiam manipular o debate público e interferir nas eleições com o embuste publicado contra Jair Bolsonaro.

    Isso não é exercício da liberdade de imprensa, mas sim associação criminosa com propósitos antidemocráticos.

    Independente de quais forem as eventuais punições a conspirata tramada nos porões da Folha de SP, o fato é que o vexame protagonizado pela jornalista em seu rompante histérico já servirão para liquidar o resto de reputação da qual o jornal ainda desfrutava.

    Publicado por jagostinho @ 15:25



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.