Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21dez

     

    JOSÉ CARLOS SEPÚLVEDA/TERÇA-LIVRE

     

    O Brasil acaba de viver mais um momento de forte instabilidade política e institucional, provocada por uma decisão altamente polêmica de um Ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Melo.

    A decisão liminar do Ministro acarretava diversas gravíssimas consequências.

    De acordo com dados do CNJ, a mesma poderia ensejar a libertação de 169 mil presos no País (homicidas, estupradores, etc.) o que causaria uma verdadeira comoção na segurança pública, num País cuja sociedade está acuada por facções do crime organizado, com ligações tentaculares a grupos terroristas.

    A estapafúrdia decisão do Ministro também comportava a libertação de Lula e de diversos comparsas petistas, presos na Operação Lava-Jato.

    Uma afronta à sociedade que hoje tem noção de que Lula dirigia uma organização criminosa a partir da Presidência da República, a qual prostituiu o sistema democrático e as instituições, além de ter pilhado fundos bilionários do Estado em proveito de um projeto ideológico de esquerda.

    Aliás, é difícil para muitos não cogitar de um conluio entre Marco Aurélio e os petistas, uma vez que, apenas 48 minutos após a decisão, a defesa de Lula já tinha encaminhado à Justiça Federal um pedido de imediata soltura de Lula, enquanto o PT organizava atos público em prol de Lula Livre.

    Assim se pronunciaram o General Paulo Chagas em seu twitter e os deputados eleitos Bia Kicis e Filipe Barros, que entraram no Senado com pedido de impeachment do Ministro.

    As suspeitas nesse sentido se agravaram hoje, dia 20 de dezembro, quando o jornal “O Estado de S. Paulo” noticiou que o Senador Jorge Viana, do PT, procurou o General Etchegoyen, Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional e o Comandante do Exército, General Villas Bôas, para saber qual seria a reação dos quartéis caso Lula fosse solto.

    Segundo o jornal, também o ex-chanceler e ex-Ministro da Defesa, Celso Amorim, sondou outros generais a respeito.

    Tais notícias falam a favor de que elementos do lulo-petismo tramavam alguma manobra para colocar Lula em liberdade.

    Mas a liminar proferida por Marco Aurélio Melo continha outros elementos graves.

    Ela afrontava a decisão do plenário do STF; além disso, o Ministro fez o cálculo inqualificável de proferir tal decisão às vésperas do recesso da Justiça, de modo a criar um fato consumado que só poderia ser corrigido em algumas semanas pelo plenário da Corte (como ele mesmo frisou em sua decisão), prolongando desta forma a crise institucional e política.

    A pedido da PGR a liminar de Marco Aurélio foi prontamente cassada pelo presidente do STF, Dias Toffoli, que responde pela corte no sistema de plantão, durante o recesso do Judiciário.

    Muitos quiseram logo erigir Dias Toffoli em “herói”, análise bastante precipitada e superficial.

    Diante do abalo à ordem jurídica, causada pela decisão de Marco Aurélio Melo, Toffoli apenas restabeleceu um pouco da ordem institucional.

    A esquerda vociferou, diante da tentativa frustrada de soltar Lula por vias travessas.

    Chamou a atenção o tweet de Juliano Medeiros, Presidente Nacional do PSOL, pertencente à “Ação Popular Socialista – Corrente comunista”. Escreveu ele que “além de traidor, Toffoli é covarde”.

    A frase é reveladora da postura político institucional da esquerda psolista, petista e afins.

    Para esta esquerda, as instituições – como o STF – devem ser aparelhados e seus membros – como Dias Toffoli, ex-advogado do PT – devem estar ao serviço do projeto autoritário de domínio do Estado.

    Quando, por alguma circunstância, a atitude não se coaduna a esse projeto, o personagem passa a ser “traidor”, uma vez que só trai quem viola um compromisso ou um princípio.

    Não se iludam, quando a esquerda fala em “democracia”, por esse termo deve entender-se a dominação e aparelhamento do Estado e das instituições, a serviço de um projeto autoritário de poder.

    É isso que a opinião pública está querendo ver acabar no Brasil.



    Publicado por jagostinho @ 15:24



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.