Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21ago

    CONEXÃO POLÍTICA

     

    Gigante de móveis IKEA arrisca boicote na Polônia após demissão de funcionário católico conservador

     

     

    News Beezer

    Os promotores da Polônia iniciaram uma investigação sobre a gigante sueca de móveis domésticos IKEA, depois que a filial polonesa da empresa demitiu um funcionário católico que criticou o ativismo LGBT da empresa.

    O secretário de Estado da Justiça, Patryk Jaki, pediu um boicote à IKEA se os promotores concluírem que a empresa discrimina os católicos, relatou o site americano Bloomberg.

    Com 238 lojas em 34 países, a maioria na Europa e as outras nos EUA, Canadá, Ásia e Austrália, a IKEA é uma das poucas redes varejistas a ter pontos de venda tanto em Israel quanto nos outros países do Oriente Médio.

    O funcionário demitido havia feito comentários críticos em um comunicado da IKEA na intranet da empresa, no qual a empresa expressou sua solidariedade com a comunidade LGBT.

    “A inclusão de LGBT + é responsabilidade de todos. No dia 17 de maio, celebramos o dia internacional contra a homofobia, a bifobia e a transfobia. E defendemos os direitos de lésbicas, gays, transexuais e pessoas de todas as orientações sexuais”, disse o comunicado.

    O católico romano Tomasz K. disse ao canal de TV polonês TVP que discordou da empresa e comentou a mensagem.

    “Eu fiquei chocado. Fui contratado para vender móveis, mas sou católico e esses não são meus valores”, disse ele à TVP.

    “Isso é inaceitável, absolutamente ultrajante”, disse o ministro da Justiça polonês, Zbigniew Ziobro, na sexta-feira (28), sobre a demissão.

    Ziobro instruiu o Ministério Público a investigar se a IKEA violou não apenas os direitos do trabalhador, mas também o direito penal e se o despedimento constitui uma discriminação antirreligiosa.

    O ministro acredita que, se a investigação for confirmada, parece que a empresa sueca na Polônia discrimina pessoas que não compartilham seus valores.

    Contradição
    “O empregado usou textos bíblicos para contextualizar sua posição e funcionários da empresa contataram o departamento de Recursos Humanos”, disse a IKEA em um comunicado.

    Katarzyna Broniarek, diretora de comunicação da IKEA Retail, acrescentou: “A cultura corporativa da Ikea é baseada na liberdade de ideias, tolerância e respeito por todos os funcionários, mas a empresa deve responder quando houver o risco de que a dignidade de outros funcionários venha em perigo”.

    Dessa forma, a empresa sueca demonstrou uma contradição em sua própria fala; respeitando o movimento LGBT, entretanto, esquecendo-se do respeito à liberdade de ideias de um conservador católico romano.

    Outros casos
    Há anos, a IKEA está envolvida no ativismo LGBT. Em junho, bandeiras de arco-íris agitaram lojas americanas da IKEA.

    No início desta semana, uma disputa motivada por LGBT remexeu a fábrica da Volvo em Wroclaw, depois que os chefes propuseram a criação de uma “comunidade LGBTQ+” como parte de suas operações.

    “O empregador deve ser completamente transparente, ele não deve promover minorias ou maiorias sexuais, religiosas e políticas. Deixamos nossa sexualidade e convicções no portão, no trabalho somos iguais”, disse Grzegorz Zachara, presidente do sindicato Solidariedade, à mídia.

    Em 2008, os católicos poloneses ameaçaram boicotar a IKEA depois de apresentar um “casal” do mesmo sexo em seu catálogo com a legenda “Ian e Steve não têm intenção de ter filhos, mas sim desfrutar de seu centro de comando, uma cozinha da IKEA e um horta de ervas”.

    Grzegorz Upper, editor-chefe da revista católica polonesa Fronda, acusou a IKEA de promover “a extrema ideologia dos ativistas homossexuais”.

    Polônia conservadora
    A IKEA já estava ciente das sensibilidades católicas na Polônia. Em maio, produziu uma bolsa arco-íris especial para marcar o mês do Orgulho LGBTQ, que acontece em junho.

    No entanto, a empresa disse que o produto não estaria disponível na Polônia.

    A Polônia é um dos países mais religiosos da Europa. De acordo com uma pesquisa da Comissão Europeia de 2005, 91 % da população pertence à Igreja Católica Romana e as minorias religiosas incluem cristãos ortodoxos, protestantes, Testemunhas de Jeová, católicos orientais, católicos poloneses, mariavitas, judeus e um pequena comunidade muçulmana de 1.132 pessoas.

    Apenas 3% da população não possui uma religião e 2% dela é ateia.

    Nas últimas eleições em 2015, a Polônia continuou demonstrando o seu conservadorismo, elegendo um presidente católico romano, Andrzej Sebastian Duda.

    Antes da presidência, Duda atuava como advogado e foi membro do Parlamento Europeu de 2014 a 2015.

    Publicado por jagostinho @ 12:33



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.