Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 27set

    POLÍTICA EM DEBATE/BEM PARANÁ

     

    Deputado reclama que salário de R$ 25,3 mil de parlamentares está ‘achatado’

     

    Martins: segundo parlamentar, há alguns anos era possível comprar um carro zero com um salário de deputado
    Martins: segundo parlamentar, há alguns anos era possível comprar um carro zero com um salário de deputado (Foto: Orlando Kissner/Alep) 

    O deputado estadual Luiz Carlos Martins (PP) aproveitou a discussão de um projeto que trata da transparência da agenda de atos políticos de integrantes do governo, na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa, ontem, para reclamar do suposto “achatamento” salarial dos parlamentares. As declarações foram uma referência ao fato de que o último reajuste salarial dos deputados ocorreu em fevereiro de 2015.

    Na época, os salários dos parlamentares foi aumentado de R$ 20 mil para os atuais R$ 25,3 mil, um reajuste de 26,35%.

    “Nós não podemos esquecer, a questão de salários, nós daqui da Assembleia, nós também tivemos um achatamento salarial. E nós não divulgamos. Tem que divulgar. Foi achatado. Foi para baixo”, alegou Martins.

    O parlamentar afirmou ainda que, há alguns anos era possível comprar à vista um automóvel novo com um salário de deputado.

    “No meu terceiro mandato aqui na Assembleia, com um salário de deputado você ia em uma concessionária e comprava um carro zero da melhor qualidade. Hoje você não paga metade de um carro popular. Só que nós precisamos contar isso para a população”, defendeu.

    Verbas – Além do salário, cada parlamentar tem direito uma cota de R$ 31,4 mil por mês para despesas do mandato, e R$ 78 mil como verba de gabinete para contratação de assessores.

    Em agosto último, a Assembleia aprovou proposta do governo de reajuste de 5,08% para os servidores públicos estaduais do Executivo, parcelado até 2022.

    A proposta estabeleceu o pagamento de 2% em janeiro do ano que vem; 1,5% em janeiro de 2021 e mais 1,5% em janeiro de 2022. O pagamento dos dois últimos índices está condicionado à disponibilidade de caixa do Estado.

    Os servidores do Executivo – que estão com os salários congelados desde 2016, e acumulam perdas de 17% – reivindicavam a reposição de 4,94% relativa à inflação de maio de 2018 a abril de 2019 retroativa a maio deste ano.

    Publicado por jagostinho @ 15:58



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.