Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01mar

    RENOVA MÍDIA

     

    Guaidó ignora ameaças e confirma retorno à Venezuela

     

    Apesar das ameaças de prisão por parte da ditadura de Nicolás Maduro, o presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou que retornará para a Venezuela até a próxima segunda-feira

     

    Guaidó ignora ameaças e confirma retorno à Venezuela

     

    Após encontro com o presidente Jair Bolsonaro, nesta quinta-feira (28), o líder opositor Juan Guaidó confirmou que de Brasília seguirá para Assunção, no Paraguai.

    Durante entrevista coletiva, Guaidó declarou:

    “Claro que há um risco, inclusive de vida, no exercício da política na Venezuela, mas também temos um dever. Resolvemos entregar nossa vida ao serviço de um país.”

    E, segundo a agência EBC, acrescentou:

    “Como sabem, eu recebi ameaças pessoais e familiares e também ameaças de encarceramento por parte do regime de [Nicolás] Maduro.

    Nosso retorno a Venezuela será neste fim-de-semana, ou, no mais tardar, na segunda-feira.”

    Antes da entrevista coletiva, Guaidó sintetizou seu sentimento e determinação por levar adiante a luta pelo resgate de “valores democráticos” no seu país:

    “Não vamos permitir nunca mais que um grupo se apodere da verdade ou dos recursos de um povo. Não se pode utilizar da palavra ‘povo’ para se aproveitar, mas para criar prosperidade, liberdade e bem-estar.

  • 27fev

    AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS

     

    Paraná terá segunda ponte ligando Brasil e Paraguai

     

    O governador em exercício Darci Piana participou nesta terça-feira (26), em Foz do Iguaçu, da cerimônia de posse do novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general Joaquim Silva e Luna, com as presenças do Presidente Jair Bolsonaro e do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez; dos ministros almirante Bento Albuquerque, de Minas e Energia e Ernesto Araújo, de Relações Exteriores - Foz do Iguaçu, 26/02/2019 - Foto: Arnaldo Alves/ANPr

     

    A importância estratégica da Itaipu Binacional para o desenvolvimento do Paraná e do Brasil foi destacada pelo presidente Jair Bolsonaro e o governador em exercício Darci Piana nesta terça-feira (26), em Foz do Iguaçu, na posse do novo diretor-geral brasileiro da empresa binacional, Joaquim Silva e Luna.

    O presidente do Paraguai, Mário Abdo Benítez, prestigiou a solenidade em Foz do Iguaçu.

    Bolsonaro confirmou a construção da segunda ponte ligando o Brasil ao Paraguai, sobre o Rio Paraná, em Foz.

    O investimento foi autorizado em dezembro do ano passado e a proposta é que ela seja bancada por Itaipu.

    “A segunda ponte sobre o rio Paraná, bem como sobre o rio Paraguai, é de fundamental importância para os nossos povos. Conte com o apoio do nosso governo para concretizarmos esse objetivo”, afirmou Bolsonaro, na solenidade.

    Ele disse que a parceria entre Brasil e Paraguai, pelo Paraná, possibilitará a construção da nova ponte, novos eixos comerciais e que a nova direção da Itaipu está compromissada com o desenvolvimento econômico do país.

    “Esse momento tem um simbolismo de extrema importância. Atualmente, o país que não tem energia está fadado ao insucesso. Nós devemos procurar outras fontes e preservar e administrar as que temos. Vamos ter produtividade ampliada para o bem dos brasileiros e dos paraguaios”, afirmou.

    ECONÔMICO – O papel da cooperação entre a binacional, o Governo do Estado e o setor produtivo foi definida pelo governador em exercício Darci Piana como estratégica para o desenvolvimento do Oeste do Paraná e de todo o Estado.

    Ele destacou que a parceria envolve o G7, grupo que reúne os maiores produtores e empresários do Paraná.

    “São parcerias que estão colaborando com o crescimento do Paraná e do Brasil. O Estado tem recebido extraordinária ajuda da Itaipu desde a sua fundação”, afirmou.

    A hidrelétrica entrega royalties da exploração hidráulica para 15 cidades paranaenses.

    “O Paraná está à disposição da Itaipu e dará todo suporte necessário para que a nova gestão tenha sucesso. Continuaremos trabalhando para a modernização do Estado”, afirmou Piana.

    Já o presidente do Paraguai destacou a produtividade da Itaipu e o “maior empreendimento de energia elétrica do mundo”.

    Ele mencionou a revisão da distribuição dos royalties em 2023.

    “Paraguaios e brasileiros temos adiante um mesmo desafio: a revisão das bases financeiras cujo prazo de negociação é eminente. As nossas relações devem estar sustentadas por valores e princípios”, destacou.

    FOCO – No discurso de posse, o novo diretor-geral brasileiro, Joaquim Silva e Luna, citou que o principal papel da Itaipu é produção e geração de energia elétrica.

    “Esse deve ser o nosso foco. Com isso, teremos a melhoria de vida dos dois países-irmãos. E também a busca de novas alternativas de produção de energia com segurança, menores tarifas e menor custo operacional”, afirmou.

    Luna ainda citou a Itaipu como símbolo de integração, amizade e confiança.

    “É uma prova do que países-irmãos fazem em proveito de sua gente. No dia a dia há que se reforçar as convergências e buscas de consensos paritários. O tratado de Itaipu é a nossa Bíblia”.

    “A partir dele vamos avançar buscando soluções e trajetórias de consenso, sempre preservando o igualitário bem comum de nossos povos e nossos países”, completou.

    Para o ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, a escolha de Luna atende a uma demanda por desenvolvimento econômico.

    “A Itaipu pressupõe desenvolvimento sustentável para região de entorno e benefícios para a população. Fortaleceremos os setores elétrico, de petróleo e gás, mineração, porque são grandes geradores de riquezas e fundamentais para a retomada da economia. Sempre com compromisso com a segurança jurídica e regulatória”, completou.

    ITAIPU BINACIONAL – Recordista em geração de energia no mundo, com mais de 2,6 bilhões de megawatts-horas (MWh) acumulados desde o início de sua produção, em 1984, a Itaipu é um exemplo bem-sucedido de integração entre dois países em âmbito jurídico, político e diplomático.

    A binacional do Brasil e do Paraguai conta com um orçamento anual da ordem de US$ 3,5 bilhões, sendo 70% deste montante destinado ao pagamento da dívida da construção, que será quitada em 2023, incluindo juros e amortizações. No ano passado, a hidrelétrica abasteceu 15% do mercado de energia elétrica brasileiro e 90% do paraguaio.

    No discurso de despedida, o ex-diretor-geral brasileiro, Marcos Stamm, afirmou que a Itaipu tem importância vital para o Paraná, em especial para a região Oeste.

    “Já atingimos 54 municípios (entre eles, os 15 com royalties) paranaenses. Nessa área a Itaipu é uma das principais forças indutoras do desenvolvimento sustentável”.

    “Também estamos atuando em conjunto com o G7 com objetivo de implementar projetos que beneficiem o Estado e o desenvolvimento de cadeias produtivas”, afirmou.

    Em termos turísticos, a Itaipu também é uma gigante brasileira, tendo ultrapassado a marca de milhão de visitantes em 2018, recorde anual de visitação.

    No ano passado, 1.024.667 turistas passaram pela usina. No total, os atrativos turísticos da hidrelétrica já receberam mais de 22 milhões de visitantes desde a abertura de suas portas à comunidade, em 1976.

    JOAQUIM DE LUNA E SILVA – O presidente Jair Bolsonaro e o ministro de Minas e Energia (MME), almirante Bento Albuquerque, nomearam o novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Joaquim Silva e Luna, e o novo diretor financeiro executivo da empresa, vice-almirante Anatalício Risden Júnior, na última quinta-feira (21).

    Eles substituem Marcos Vitório Stamm e Mário Antônio Cecato, respectivamente. O mandato tem validade até 16 de maio de 2022. Luna será o 13º diretor-geral brasileiro da Itaipu.

    Luna esteve à frente do Ministério da Defesa de 27 de fevereiro de 2018 a dezembro do mesmo ano e foi o primeiro militar a comandar a pasta.

    Com experiência em planejamento estratégico, orçamento e gestão de projetos, ele comandará o lado brasileiro da usina em momento relevante para a binacional, às vésperas da renegociação do Anexo C do Tratado de Itaipu, que dispõe sobre as bases financeiras da operação.

    O último militar brasileiro a dirigir a Itaipu Binacional foi Ney Aminthas de Barros Braga, entre 1985 e 1990.

    Ele foi precedido pelo general de exército José Costa Cavalcanti, o primeiro diretor-geral brasileiro de Itaipu (1974-1985), que participou de todo o processo de construção da usina.

    PROTAGONISTA – A presença do presidente Jair Bolsonaro na posse do diretor-geral brasileiro de Itaipu, em Foz do Iguaçu, foi o primeiro compromisso administrativo programado fora de Brasília desde que assumiu o cargo.

    O governador em exercício Darci Piana destaca que o Paraná tem sido protagonista na interação com o governo federal.

    Ele que citou que, em cerca de 40 dias, o Estado já recebeu três visitas de ministros. Leia mais Aqui.

    PARTICIPAÇÕES – Participaram da solenidade Arnoldo Wiens, ministro de Obras Públicas do Paraguai; Bernardino Caballero, vice-ministro das Relações Exteriores do Paraguai; José Alberto Alderete Rodríguez, diretor-geral paraguaio da Itaipu; os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Fernando Azevedo e Silva (Defesa).

    E mais, Roberto Vaesken, governador de Alto Paraná, no Paraguai; Carlos Simas Magalhães, embaixador brasileiro no Paraguai; Wilson Ferreira Junior, presidente da Eletrobrás; o prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro; os deputados federais Vermelho, José Carlos Schiavinato, Ricardo Barros e Felipe Francischini; o deputado estadual Hussein Bakri; o chefe da Casa Civil, Guto Silva; o presidente da Copel, Eduardo Pimentel; autoridades empresariais e de organismos internacionais.

  • 26fev

    RENOVA MÍDIA

     

    ‘Trump está com você 100%’, diz vice-presidente dos EUA a Guaidó

     

    ‘Trump está com você 100%’ diz vice-presidente dos EUA a Guaidó

     

    O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, reforçou nesta segunda-feira (25) o apoio da Casa Branca ao líder opositor, Juan Guaidó.

    Reconhecido por cerca de 50 países como presidente interino da Venezuela, Guaidó escutou de Pence que ele pode contar com o apoio absoluto de Donald Trump.

    Durante uma reunião no âmbito da cúpula do Grupo de Lima, em Bogotá, capital da Colômbia, que discute as próximas ações contra a ditadura de Nicolás Maduro, o vice-presidente Pence afirmou:

    “A você, presidente Guaidó, uma simples mensagem do presidente Trump: estamos com você 100%.”

    Em mensagem publicada durante o final de semana de violenta repressão das forças de Maduro, o presidente Donald Trump alertou que o ditador venezuelano não ficaria impune.

  • 26fev

    DIÁRIO DO PODER

     

    Militares venezuelanos rejeitam Maduro e se colocam à disposição de Guaidó

     

    Sete oficiais do exército buscaram refúgio em território brasileiro

     

     

    O Major Roso Carlos Enrique Romero, gravou um vídeo, aonde declara que não reconhece mais Maduro como comandante

     

    Nesta segunda-feira (25) mais um grupo de militares venezuelanos refuta o comando do ditador Nicólas Maduro, e se coloca à disposição do presidente interino Juan Guaidó.

    Nos últimos dias, segundo informações do Exército Brasileiro, sete oficiais das Forças Armadas da Venezuela deserdaram e buscaram refúgio aqui.

    Existe o relato de que outros militares venezuelanos têm desertado pela fronteira com a Colômbia.

    O Exército deflagrou a Operação Acolhida, com intuito de receber esses militares.

    Segundo a coronel Carla Beatriz, ontem três militares cruzaram a fronteira e hoje mais quatro.

    Em terras brasileiras, os oficiais são encaminhados para postos de triagem, onde recebem o tratamento dado aos demais imigrantes.

    Nesse momento eles podem escolher se são refugiados, isso implica a obrigação de permanecer no Brasil por pelo menos um ano,  ou se querem declarar residência no país.

    O Major Roso Carlos Enrique Romero, gravou um vídeo e declara não reconhecer mais Maduro como comandante geral das Forças Armadas da Venezuela.

    Romero afirma que agora vai servir ao outro lado, de Guaidó:

  • 26fev

    CONEXÃO POLÍTICA

     

    “O mundo precisa conhecer os planos do governo de Jair Bolsonaro para transformar o Brasil”, diz Damares

     

    Alan Santos | PR

     

    Em seu primeiro compromisso internacional, a Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, encontra-se em Genebra, de 24 a 27 de fevereiro, chefiando a delegação brasileira na 40ª Sessão dos Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na Suíça.

    O evento é o principal encontro mundial de altas autoridades sobre o tema.

    “O mundo precisa conhecer os planos do governo de @jairbolsonaro para transformar o Brasil”, afirmou a ministra em sua conta do Twitter.

    Em seu quarto mandato como membro do Conselho de Direitos Humanos, o Brasil continuará a empenhar-se para tornar mais efetivo o trabalho do órgão na promoção e proteção internacional dos direitos humanos.

    Agenda

    Além de participar das atividades do Conselho de Direitos Humanos, a Ministra Damares Alves tem extensa agenda de trabalho, incluindo encontro com a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, com o Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados, Filippo Grandi, com a Vice-Presidente da Costa Rica, Epsy Campbell Barr, com o Secretário-Geral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Francisco Ribeiro Telles, com representantes da Organização Mundial de Saúde e do Fundo de População das Nações Unidas, bem como organizações da sociedade civil e imprensa.

    Os encontros constituem também oportunidade para apresentar temas prioritários na agenda de direitos humanos do Governo brasileiro, tais como, mulheres, crianças e adolescentes, indígenas, pessoas com deficiência, idosos, juventude e família, igualdade racial, ciganos, ribeirinhos e comunidades tradicionais.

    Meta de Governo

    Neste Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos a preocupação com as vítimas virá sempre em primeiro lugar; enfatizando a restauração das famílias e a proteção da infância e da mulher.

    A ministra também enfatiza a importância de implementar políticas públicas que não prevejam interferência do Estado, mas que garantam serviços de bem-estar pela preservação do núcleo familiar.

    “Todas as nossas ações visam o fortalecimento dos vínculos familiares”, afirma Damares.

    Projeto Anticrime

    O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos tem trabalhado em sintonia com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, no combate à violência.

    “A violência é um dos grandes problemas que temos. A maior preocupação de um pai, de uma mãe, é que os filhos voltem para casa em paz. Com este projeto nós queremos acabar com aquela sensação de que o crime compensa no Brasil”, informou o presidente Jair Bolsonaro em sua conta no Twitter.

    A ministra se encontrou com o maquiador Agustin, neste mês, para lançarem uma grande campanha de combate à violência contra mulheres com a participação dos profissionais da área da beleza.

    Eles serão treinados a identificar mulheres vítimas de violência e orientá-las na busca de proteção.

    Outra iniciativa da ministra, foi a reunião com colegas da Google em busca de mais uma parceria na política de prevenção ao suicídio e à automutilação, que é uma das metas dos 100 dias do governo Jair Bolsonaro, para transformar essa triste realidade e salvar crianças e adolescentes.

    Ensino domiciliar

    Em parceria com o Ministério da Educação, comandado pelo ministro Ricardo Velez, Damares trabalha para realizar um projeto abrangente, que trará segurança jurídica para o ensino domiciliar.

    Povos indígenas

    Quanto às políticas públicas para os povos tradicionais, o ministério entende que é necessário investir no desenvolvimento territorial e no desenvolvimento do índio como um todo.

    É preciso ver o índio como um povo da nação. O Brasil possui 305 povos indígenas, e estes falam 274 línguas diferentes.

    Dinheiro Público

    A Ministra Damares Alves tem mostrado a sua preocupação com a correta aplicabilidade do dinheiro público, desmontando o imenso esquema de indenizações e pensões milionárias elaboradas pela esquerda, durante os últimos governos.

    Escolha Certa

    A escolha do presidente Jair Bolsonaro, em nomear Damares Alves como ministra da pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, deve-se ao seu extenso e reconhecido trabalho de proteção à infância e mulheres no Congresso, como assessora jurídica, durante 20 anos.

    E nesta semana, o seu primeiro compromisso internacional, levará as suas lutas pelas mulheres e pela proteção da infância, para o âmbito mundial.

« Entradas anteriores